inova.jor

inova.jor

CES 2016: Internet das coisas ainda demora a acontecer

Brian Krzanich, presidente da Intel, apresenta patinete que vira robô da Segway
Brian Krzanich (dir.), presidente da Intel, apresenta patinete que vira robô da Segway

LAS VEGAS

O mercado de eletrônicos passa por um momento único. Sensores e rádios de baixo custo podem permitir, em breve, que todas as coisas sejam conectadas. Tendências quentes do setor – como internet das coisas, big data, computação em nuvem e mobilidade – se entrelaçam de uma maneira que é difícil de encontrar uma aplicação que não combine mais de uma delas. Os mais diversos produtos incorporam conectividade e localização.

A CES 2016, feira de eletrônicos que aconteceu em Las Vegas na semana passada, mostrou várias possibilidades abertas por essas tendências, mas os dispositivos ainda estão longe de permitir um uso realmente integrado, que explore as potencialidades da tecnologia. A internet das coisas – que inclui vestíveis, carros conectados e casas inteligentes – ainda demora alguns anos para se tornar realidade.

Potencial

A consultoria Gartner estima que, este ano, o total de coisas conectadas no mundo chegará a 6,4 bilhões, um crescimento de 30% sobre 2015. Neste ano, 5,5 milhões de novas coisas devem ser conectadas por dia. O volume de recursos movimentados por esse mercado deve chegar a US$ 235 bilhões em 2016, um avanço de 22% sobre o ano passado. A previsão é que o total de coisas conectadas alcance 20,8 bilhões em 2020.

O tema internet das coisas dominou a apresentação de alguns dos principais palestrantes da CES, como Brian Krzanich, presidente da Intel, e W.P. Wong, presidente da Samsung SDS, empresa de serviços de tecnologia da informação do grupo sul-coreano.

Eles convidaram vários parceiros para a apresentação. A Intel, por exemplo, apresentou a nova versão do patinete Segway, que se transforma num robô que entende comandos de voz.

A CES 2016 traça um cenário em que:

  • teremos todos os dispositivos da casa conectados;
  • vamos nos locomover em carros autônomos ou drones capazes de transportar seres humanos;
  • assistiremos a vídeos em telas flexíveis ou projetados em qualquer superfície;
  • carregaremos no corpo sensores que farão um acompanhamento em tempo real de nossas atividades e de nossa saúde;
  • teremos em robôs assistentes pessoais que ajudarão nas atividades da casa e do trabalho;
  • deixará de haver barreiras entre o mundo digital e o físico, com sistemas cada vez mais sofisticados de realidade virtual e realidade aumentada.

Esse cenário tem boa chance de se concretizar, mas a tecnologia ainda não é madura o suficiente.

A geladeira inteligente fará realmente sentido quando os alimentos vierem com etiquetas inteligentes e invólucros que reconhecem se continuam bons para o consumo, avisando o refrigerador. Por enquanto, temos várias opções de dispositivos conectados, mas a integração deles numa única rede ainda é difícil.

  • O jornalista viajou a convite da Samsung

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Setor de tecnologia precisa de mais mulheres

As mulheres ainda são minoria no mercado de tecnologia do mundo inteiro. Elas ocupam apenas 24% dos postos de trabalho em empresas de tecnologia de todo o mundo, segundo dados da CompTIA, associação do setor de Tecnologia da Informação (TI). A disparidade aumenta em cargos de liderança, onde as mulheres[…]

Leia mais »
A Bellus 3D criou um scanner que se conecta ao celular e capta imagens 3D do rosto / Renato Cruz/inova.jor

CES 2017: Conheça 10 projetos criados por startups

LAS VEGAS O Eureka Park é o espaço que reúne startups na CES, evento de eletrônicos de consumo que terminou semana passada em Las Vegas. Neste ano, reuniu cerca de 600 empresas iniciantes de várias partes do mundo. Abaixo, destaco 10 projetos interessantes apresentados por elas. Scanner facial Sediada em[…]

Leia mais »

3 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami