inova.jor

inova.jor

Aplicativos incentivam crescimento do celular pós-pago

Brasileiros têm concentrado comunicação em aplicativos como o WhatsApp
Brasileiros têm concentrado comunicação em aplicativos como o WhatsApp / Edu Alpendre/Creative Commons

A redução do pré-pago na base total de celulares em uso no Brasil acelerou. Segundo dados preliminares da consultoria Teleco,  a participação chegou a 72% no ano passado. Em 2009, esse número era de 83%.

Quem usava mais de um chip tem buscado concentrar tudo numa operadora só, fazendo de aplicativos de mensagens, principalmente do WhatsApp, seu principal meio de comunicação.

Entre janeiro e novembro de 2015, o Brasil perdeu 16 milhões de pré-pagos. Os dados preliminares apontam que, em dezembro, foram mais 11 milhões, chegando a 27 milhões.

Até novembro do ano passado, o pós-pago tinha ganhado 5,2 milhões de assinantes.

Queda do celular pré-pago no Brasil
Fonte: Teleco

O WhatsApp, que pertence ao Facebook, anunciou hoje que passará a ser gratuito. O aplicativo cobrava uma taxa anual de alguns usuários a partir do segundo ano de uso.

Anúncios continuam fora dos planos, segundo o WhatsApp. O aplicativo deve lançar, no entanto, ferramentas de comunicação para empresas conversarem com seus clientes: “Isso poderia significar se comunicar com seu banco para saber se uma transação recente foi fraudulenta, ou com uma companhia aérea a respeito de um voo atrasado”.

Mais dados

Muitos veem as mudanças que tem enfrentado o mercado brasileiro como uma migração de serviços pagos (telefones e SMS) para serviços gratuitos (mensagens via internet). Mas não é bem assim.

O acesso à internet continua pago. O desafio enfrentado pelas operadoras de telecomunicações é fazer com que o seu chip seja o escolhido pelo consumidor para se tornar o único.

Para quem tem um chip só, os planos pós-pagos começam a fazer mais sentido, principalmente os do tipo “controle”, em que o consumidor precisa colocar créditos se ultrapassar a franquia mensal.

Em novembro do ano passado, havia 269,6 milhões de celulares em operação no Brasil. O presidente da TIM Brasil, Rodrigo Abreu, disse, numa entrevista no mês passado, que há cerca de 135 milhões a 140 milhões de usuários únicos de celular no País.

Ou seja, ainda existe muito segundo chip por aí para ser descartado.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Operadoras brasileiras passam por processo de transformação digital / Senado Federal/Creative Commons

‘Maioria das operadoras brasileiras ainda opera como commodity’

Com a nova Lei Geral de Telecomunicações travada no Congresso após embate na Justiça, os investimentos no setor para neste ano não devem ser muito diferentes do que em 2016. A crise econômica e a instabilidade na aprovação da lei têm segurado investimentos das operadoras, que continuam sendo constantemente pressionadas[…]

Leia mais »
Muitos provedores regionais dependem de tecnologia de rádio para oferecer banda larga / Divulgação

Provedores regionais temem fim da franquia de banda larga

Os provedores regionais de internet estão preocupados com a possibilidade de a franquia de banda larga fixa ser proibida por lei. “A aprovação do projeto que está na Câmara pode levar criar insegurança jurídica”, afirma Basílio Perez, presidente da diretoria executiva da Associação Brasileira dos Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint).[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami