inova.jor

inova.jor

O computador quântico está mais próximo

A Rigetti está testando um chip com três qubits / Rigetti Computing/Divulgação
A Rigetti está testando um chip com três qubits / Rigetti Computing/Divulgação

O computador quântico é o futuro. E isso já faz muitos anos. Com o investimento de grandes empresas e de startups, finalmente esse futuro parece estar próximo de se concretizar.

Os computadores quânticos são capazes de realizar rapidamente cálculos complexos que as máquinas atuais demorariam anos para resolver – ou nunca conseguiriam.

Uma startup americana chamada Rigetti Computing, que tem 15 funcionários e levantou investimento de US$ 5 milhões, pretende até o fim do próximo ano colocar no mercado chips para computadores quânticos.

Em entrevista à Technology Review, Chad Rigetti, fundador da empresa, afirmou que seu processador será capaz de executar simulações químicas altamente precisas, criando novos processos industriais, e ser adotado em sistemas de aprendizado de máquina, campo da inteligência artificial em que os computadores aprendem coisas a partir da experiência, sem a necessidade de nova programação.

Atualmente, a Rigetti Computing testa um protótipo de três “qubits”, formados por circuitos de alumínio sobre uma placa de silício. O qubit (contração em inglês de bit quântico) é a unidade básica de informação nos computadores quânticos. Enquanto o bit dos computadores convencionais pode valer zero ou um, o qubit consegue armazenar uma superposição de zero e um, o que faz com que a máquina seja capaz de realizar vários cálculos ao mesmo tempo.

Apesar de a ideia do computador quântico ter sido proposta pelo físico Richard Feynmann no começo da década de 1980, o desafio tecnológico de concretizá-la não é simples. Os estados quânticos, nos quais se baseiam os qubits, são tão frágeis que a mera observação pode modificá-los.

Chad Rigetti prevê que um chip com 100 qubits já teria uma performance melhor que os computadores atuais. A startup planeja também criar um serviço de computação quântica na nuvem, em que clientes pagariam para que seus cálculos fossem executados remotamente.

Corrida pelo computador quântico

O Google tem projetos de computação quântica em seu laboratório. A empresa grande potencial na tecnologia para aplicações de inteligência artificial, como a interpretação da linguagem, reconhecimento de imagens e até o controle de carros autônomos.

O gigante das buscas é um dos clientes da canadense D-Wave, a primeira companhia a colocar um computador quântico no mercado. Ainda existe um grande debate na comunidade científica, no entanto, sobre a máquina da D-Wave ser ou não um computador quântico.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Bellus 3D criou um scanner que se conecta ao celular e capta imagens 3D do rosto / Renato Cruz/inova.jor

CES 2017: Conheça 10 projetos criados por startups

LAS VEGAS O Eureka Park é o espaço que reúne startups na CES, evento de eletrônicos de consumo que terminou semana passada em Las Vegas. Neste ano, reuniu cerca de 600 empresas iniciantes de várias partes do mundo. Abaixo, destaco 10 projetos interessantes apresentados por elas. Scanner facial Sediada em[…]

Leia mais »
A Nintendo tentou colocar a realidade virtual no mercado há 20 anos, com o Virtual Boy, mas não deu certo

Quando a realidade virtual era o futuro da tecnologia

O pesquisador Jaron Lanier é conhecido hoje por ser autor de livros como Gadget: você não é um aplicativo e Bem-vindo ao futuro, em que propõe que mudemos a forma como nos relacionamos com a tecnologia. No século passado, no entanto, ele era conhecido como o principal defensor da realidade virtual. Muita gente achava que[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami