inova.jor

inova.jor

Tem certeza de que seu celular é seguro?

A vulnerabilidade da rede é o principal temor Foto: Flickr/Creative Commons
A vulnerabilidade da rede é o principal temor Foto: Marty Hadding/Creative Commons

A segurança é a maior preocupação das operadoras de telefonia móvel em 2016. A conclusão faz parte de uma pesquisa internacional realizada pela F5 Networks sobre os planos de negócios e tecnologias para os próximos meses.

“As operadoras de redes móveis estão precisando abrir seus ambientes, mudar o seu controle tradicional, tornando todo o processo cada vez mais público e aberto. Toda essa vulnerabilidade traz um ambiente de preocupação com a segurança que é considerado o principal desafio pelas empresas”, explicou Michel Araújo, gerente de contas sênior da F5 Networks no Brasil.

A perspectiva de um mundo cada vez mais conectado favorece esse temor. Segundo o relatório, 88% de todas as operadoras de telefonia móvel esperam o crescimento do tráfego de objetos inteligentes (a Internet das coisas ou IoT, na sigla em inglês) em sua rede em, no máximo, dois anos.

“Em relação ao IoT, o maior medo é que alguém com más intenções possa se apropriar cada vez mais da vulnerabilidade desses dispositivos. Essa pessoa pode prejudicar não somente o cliente final, mas também acessar os sistemas operacionais”, explicou Araújo.

Virtualização

Apesar disso, as companhias caminham para transformar seus sistemas em espaços cada vez mais abertos e ágeis. A adoção da virtualização das funções da rede (NFV, na sigla em inglês), por exemplo, já é considerada necessária a cada nove de 10 empresas consultadas.

A escolha por livrar-se de hardwares próprios e adotar redes digitais como a NFV é apontada como uma estratégia de sobrevivência em uma época dominada por serviços de comunicação pela internet.

“Diferente da nossa percepção, o que as empresas enxergam como principal desafio e problema nesse momento não é a existência do WhatsApp no ambiente, mas sim a incapacidade de em ser ágil o suficiente para contrapor esse novo cenário”, disse Araújo.

O tempo de mercado é outro fator que determina a inserção de tecnologias mais vulneráveis. Com os atuais sistemas tradicionais, as empresas demoram cerca de três a quatro anos para lançar um serviço no mercado. “Quando o ambiente é virtualizado, padronizado e aberto, o ambiente se torna mais dinâmico e a empresa consegue ser mais eficaz. Essa agilidade é o grande desafio deles para este ano”, completou o executivo.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

5G deve ser lançado em eventos como os Jogos Olímpicos de Inverno na Coreia do Sul / Republic of Korea/Creative Commons

O que esperar da tecnologia 5G em 2020

O nascimento das redes móveis de quinta geração (5G) está bem próximo. As estimativas mais recentes indicam 2020 como o ano em que as redes 5G começam a chegar ao mercado e a oferecer níveis de conectividade sem precedentes. No entanto, devemos acompanhar seu lançamento partir de 2018, em eventos[…]

Leia mais »
Muitos provedores regionais dependem de tecnologia de rádio para oferecer banda larga / Divulgação

Provedores regionais temem fim da franquia de banda larga

Os provedores regionais de internet estão preocupados com a possibilidade de a franquia de banda larga fixa ser proibida por lei. “A aprovação do projeto que está na Câmara pode levar criar insegurança jurídica”, afirma Basílio Perez, presidente da diretoria executiva da Associação Brasileira dos Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint).[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami