inova.jor

inova.jor

Tem certeza de que seu celular é seguro?

A vulnerabilidade da rede é o principal temor Foto: Flickr/Creative Commons
A vulnerabilidade da rede é o principal temor Foto: Marty Hadding/Creative Commons

A segurança é a maior preocupação das operadoras de telefonia móvel em 2016. A conclusão faz parte de uma pesquisa internacional realizada pela F5 Networks sobre os planos de negócios e tecnologias para os próximos meses.

“As operadoras de redes móveis estão precisando abrir seus ambientes, mudar o seu controle tradicional, tornando todo o processo cada vez mais público e aberto. Toda essa vulnerabilidade traz um ambiente de preocupação com a segurança que é considerado o principal desafio pelas empresas”, explicou Michel Araújo, gerente de contas sênior da F5 Networks no Brasil.

A perspectiva de um mundo cada vez mais conectado favorece esse temor. Segundo o relatório, 88% de todas as operadoras de telefonia móvel esperam o crescimento do tráfego de objetos inteligentes (a Internet das coisas ou IoT, na sigla em inglês) em sua rede em, no máximo, dois anos.

“Em relação ao IoT, o maior medo é que alguém com más intenções possa se apropriar cada vez mais da vulnerabilidade desses dispositivos. Essa pessoa pode prejudicar não somente o cliente final, mas também acessar os sistemas operacionais”, explicou Araújo.

Virtualização

Apesar disso, as companhias caminham para transformar seus sistemas em espaços cada vez mais abertos e ágeis. A adoção da virtualização das funções da rede (NFV, na sigla em inglês), por exemplo, já é considerada necessária a cada nove de 10 empresas consultadas.

A escolha por livrar-se de hardwares próprios e adotar redes digitais como a NFV é apontada como uma estratégia de sobrevivência em uma época dominada por serviços de comunicação pela internet.

“Diferente da nossa percepção, o que as empresas enxergam como principal desafio e problema nesse momento não é a existência do WhatsApp no ambiente, mas sim a incapacidade de em ser ágil o suficiente para contrapor esse novo cenário”, disse Araújo.

O tempo de mercado é outro fator que determina a inserção de tecnologias mais vulneráveis. Com os atuais sistemas tradicionais, as empresas demoram cerca de três a quatro anos para lançar um serviço no mercado. “Quando o ambiente é virtualizado, padronizado e aberto, o ambiente se torna mais dinâmico e a empresa consegue ser mais eficaz. Essa agilidade é o grande desafio deles para este ano”, completou o executivo.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

André Borges afirma que o MCTIC está comprometido com o fundo garantidor para provedores regionais / Herivelto Batista/ASCOM-MCTIC

MCTIC: ‘Estamos comprometidos com fundo garantidor’

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) está comprometido com o fundo garantidor para os provedores regionais de internet, segundo André Borges, secretário de Telecomunicações do MCTIC. Ontem (2/11), o inova.jor publicou um artigo assinado por Erich Rodrigues, presidente da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint),[…]

Leia mais »
A Angola Cables é considerada uma empresa-âncora do Parque Tecnológico de Fortaleza / Divulgação

Por que a Angola Cables quer conectar o Brasil à África

Os Estados Unidos ainda concentram boa parte do tráfego mundial de internet. Provedores de outros países contratam conexões até lá e as comunicações internacionais passam pela infraestrutura norte-americana. Os projetos da Angola Cables fazem parte de um esforço de descentralização. O West Africa Cable System (Wacs), sistema de cabos submarinos[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami