inova.jor

inova.jor

Como a internet das coisas vai mudar sua empresa

Evento da IBM discute o futuro da Internet das Coisas. Foto: Divulgação
Evento da IBM discute o futuro da internet das coisas / Foto: Divulgação

A internet das coisas (IoT, da sigla em inglês) deve revolucionar as organizações brasileiras num prazo de três a cinco a anos. A expectativa é do próprio empresariado brasileiro, que planeja aumentar investimentos na tecnologia.

Os dados fazem parte de um estudo realizado pela IBM, baseado em entrevistas com executivos de empresas de todo o mundo, incluindo o Brasil. O estudo também identifica formas de ganhar dinheiro com informações geradas pela internet das coisas.

Globalmente, a IoT se mantém na terceira posição na lista das principais tendências tecnológicas para até cinco anos. As outras duas tendências são computação em nuvem e soluções móveis (ou mobilidade).

“Observamos que 55% das empresas querem investir mais de 5% de seu faturamento em IoT para alavancar os negócios. Levando em consideração que, há pouquíssimos anos, o investimento em toda a área de tecnologia da informação dessas empresas ficava entre 5 e 7%, fica nítida a importância que a IoT tem para essas organizações”, afirma Carlos Tunes, líder de Business Analytics da IBM Brasil.

Novos modelos de negócio

E o investimento acompanha expectativas altas. Entre os entrevistados, 69% acreditam que a internet das coisas pode ajudar a aprimorar seu ramo de negócios por meio de novos modelos e fluxos de receita.

Sessenta e cinco por cento dos executivos ainda não conseguem dizer claramente qual será o retorno sobre o investimento. “Essa incerteza faz parte do processo de maturidade da tecnologia. Escutamos de alguns executivos que o tema é importante, que deve manter o investimento, mas que não consegue cravar a percentagem de retorno absoluto. A certeza é que o retorno será de 30% pra cima”, diz Tunes.

O principal desafio das empresas, no entanto, é a interação dos dispositivos de IoT, seguido de preocupação com a segurança, privacidade e governança.

“Percebemos que grande parte das empresas espera transformar a IoT em uma oportunidade de revolucionar o seu negócio e, claro, melhorar a experiência do consumidor final”, explica Tunes.

Outro tema em destaque são novas formas de negócios geradas pela IoT. Segundo o estudo, a tecnologia garante três novas fontes de receita: geração de dados, transformação de dados em informação útil e aplicação para o usuário final ou para uma empresa.

Para garantir o sucesso desse novo mercado as empresas tendem a trabalhar cada vez mais em ecossistemas de troca de informação. “Os executivos estão percebendo que podem vender informações que geram para outras empresas ou usá-las para ampliar novos mercados. Esse ecossistema tende a ampliar cada vez mais”, conclui.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Por que sua cidade precisa de um sistema operacional

PORTO ALEGRE Imagine um sistema operacional como Windows, Linux, Android ou iOS implementado na sua cidade, transformando-a num ambiente de serviços públicos totalmente conectados. Esse modelo aparentemente futurista é o que a PUCRS pretende criar nos próximos anos em Porto Alegre. O conceito de sistema operacional de cidade já está sendo implementado[…]

Leia mais »
Marcelo Zuffo, da USP, fala sobre mercado de trabalho / inova.jor

‘É preciso incentivar a contratação de técnicos e engenheiros’

Apesar da expansão da educação em todos os níveis verificada nos últimos anos, o Brasil vive uma crise de qualidade no sistema educacional. É o que afirma Marcelo Zuffo, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. A deficiência do país é ainda maior no ensino de ciência, tecnologia,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami