inova.jor

inova.jor

Procuram-se empresas para desenvolver cidades inteligentes

 Fabiano Hessel afirma que 7 bilhões de pessoas devem estar conectadas diariamente até 2020. Foto: Mariana Lima
Hessel afirma que 7 bilhões de pessoas devem estar conectadas diariamente até 2020 / Mariana Lima/inova.jor

PORTO ALEGRE

O mercado de cidades inteligentes (smart cities) e internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) no Brasil é pouco aproveitado pelas empresas brasileiras.

Segundo Fabiano Hessel, coordenador do Centro de Inovação para Cidades Inteligentes e IoT e professor da PUC do Rio Grande do Sul (PUCRS), o valor estimado de negócios gerados por meio dessas tecnologias chega a US$ 70 bilhões no Brasil.

Em termos mundiais, estima-se que o valor de negócios de cidades inteligentes e internet das coisas seja de US$ 4,6 trilhões. O valor atrativo, segundo o especialista, é consequência de uma população cada vez mais conectada.

“Nos próximos quatro anos, teremos 7 bilhões de pessoas no mundo conectadas por meio de dispositivos. A média será de sete dispositivos por pessoa que fornecerão informações constantemente por meio de celulares, relógios, calçados etc.”, completou Hessel.

Os números foram apresentados ontem (31) durante a inauguração do Centro de Inovação para Cidades Inteligentes e IoT, no Parque Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc), em Porto Alegre. O espaço é fruto de parceria entre a multinacional chinesa Huawei e a PUCRS, além do governo do Rio Grande do Sul e da prefeitura de Porto Alegre.

Vantagens e desafios

O evento de inauguração foi acompanhado de debates sobre as vantagens e desafios de se ter uma cidade inteligente e IoT no Brasil.

Entre os principais desafios técnicos apontados pelo especialista está a necessidade de redes disponíveis espalhados por todo o município. A estrutura é primordial para a conectividade dos serviços inteligentes.

Outro motivo que dificulta a entrada de empresas neste mercado é a falta de conhecimento sobre os termos adotados. Segundo Hessel, é comum a confusão entre o significado de cidade inteligente e cidade digital.

“Smart city é uma cidade que percebe o contexto, analisa os dados, levando sempre em consideração o cidadão. Esse tipo de cidade antecipa o que o cidadão quer, fornecendo dados para que ele seja ativo e tomador de decisão. Divulgar dados aleatórios na internet, sem a análise, é ser uma cidade digital”, afirmou.

A estimativa é que a parceria entre universidade e empresas transforme Porto Alegre na primeira capital inteligente do Brasil.

“Criamos uma plataforma aberta para as empresas que desejam participar da transformação em Porto Alegre numa smart city. O sistema está disponível para as empresas interessadas em desenvolver aplicações ou dispositivos para a nossa cidade”, concluiu o professor.

  • A jornalista viajou a convite da Huawei

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O governo de São Paulo vai começar a cobrar ICMS sobre software em abril / Renato Cruz/inova.jor

Empresas de software questionam cobrança de ICMS na Justiça

Associações de tecnologia resolveram apoiar duas ações diretas de inconstitucionalidade (Adins) da Confederação Nacional de Serviços (CNS) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). As entidades são a Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes), Associação Brasileira da Distribuição de Produtos e Serviços de Tecnologia da Informação (Abradisti), Associação Catarinense de[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami