inova.jor

inova.jor

Porto Digital: ‘Inovação depende de políticas públicas’

Empresas do Porto Digital faturam mais de R$ 1 bilhão por ano / Divulgação
Empresas do Porto Digital faturam mais de R$ 1 bilhão por ano / Divulgação

Francisco Saboya, presidente do Porto Digital, assumiu no final do ano passado a presidência para a América Latina da Associação Internacional de Parques Tecnológicos e Áreas de Inovação (Iasp, na sigla em inglês).

“Não dá para falar em inovação sem iniciativas públicas”, afirma Saboya, em entrevista por telefone ao inova.jor. “A prioridade é criar uma institucionalidade continental e promover  o intercâmbio, com o compartilhamento de boas práticas.”

A América Latina investe somente 1% do Produto Interno Bruto em pesquisa, desenvolvimento e inovação. Mesmo o Brasil, que ocupa um lugar de destaque na região, destina somente 1,2% para esse tipo de investimento.

Para se ter uma ideia do que isso representa, a Coreia do Sul investe 4,1%, os Estados Unidos 2,8% e a China 2%, segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

“O quadro é tão distante dos países que estão à frente que para alguns dá desânimo”, destaca o presidente do Porto Digital. “Mas existe muita coisa bacana na região que precisa ser estimulada.”

Política de Estado

O próprio Porto Digital é uma iniciativa de grande sucesso. Criado em 2000, conseguiu ao mesmo tempo consolidar um polo tecnológico em Pernambuco e revitalizar o centro histórico do Bairro do Recife.

“O Porto Digital se viu desde o início como uma política de Estado e não de governo”, afirma Saboya. Atualmente, o polo abriga 250 empresas, que faturaram R$ 1,35 bilhão no ano passado.

O Núcleo de Gestão do Porto Digital é uma Organização Social (OS). Saboya destaca que uma das explicações para o sucesso do Porto Digital foi buscar fontes de financiamento fora do Estado.

“O Estado é aportador de contrapartida do que captamos nacionalmente”, explica. “Coloca 2 para termos 10.”

Apesar de particularidades regionais, Saboya acredita que a experiência do Porto Digital pode ser replicada. “O que pode ser replicada é a estratégia de sustentação de projetos”, diz ele. “Temos um time de projetos que apresenta propostas a cada chamada. As OS precisam sair das amarras de seu próprio governo.”

O Porto Digital busca recursos federais, de instituições como a Finep, de emendas parlamentares e até linhas de financiamento internacionais. “Desenvolvemos um projeto de 7 milhões de euros de um fundo da União Europeia”, exemplifica.

Saboya destaca que tão importante quanto conseguir captar recursos é saber gerenciar os projetos e depois prestar contas. “Temos ISO 9001 (certificação de gestão de qualidade), com todos os controles requeridos pelas instituições.”

Há pouco mais de dois anos, foi criado o Portomídia, para acrescentar atividades de economia criativa ao polo de tecnologia da informação.

Saboya: 'É preciso se libertar das amarras do próprio Estado' / Divulgação
Saboya: ‘É preciso se libertar das amarras do seu próprio governo’ / Divulgação

 

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Eric Hutto (dir.), da Unisys, fala da importância da tecnologia para o governo / Renato Cruz/inova.jor

‘Tecnologia precisar ser prioritária na agenda do governo’

A transformação digital do governo é um tema prioritário nas maiores economias do mundo, tanto em países desenvolvidos quanto em desenvolvimento. Mas ainda não no Brasil. Para Eric Hutto, presidente sênior da Unisys, as eleições deste ano são uma oportunidade para mudar esse cenário. A digitalização pode tornar o governo[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami