inova.jor

inova.jor

Como a internet das coisas cria oportunidades para a indústria brasileira

O setor elétrico oferece grandes oportunidades em internet das coisas / Alexandre Ruoso/Creative Commons
O setor elétrico oferece grandes oportunidades em internet das coisas / Alexandre Ruoso/Creative Commons

A Kron é uma fabricante brasileira de medidores de energia. Em parceria com a Telit, desenvolveu uma solução chamada Konect, que permite a leitura em tempo real das informações, permitindo que empresas estimem os gastos de eletricidade, água ou gás antes do fim do mês e consigam reduzir suas contas.

Não se trata de um medidor usado pela concessionária de energia, mas pelos clientes dela. O Konect também possibilita medir os gastos em serviços públicos dos diferentes setores de uma empresa, para calcular custos, ou de diferentes lojas num shopping center.

Computação em nuvem

A Kron integrou seu medidor a um serviço de computação em nuvem da Telit, que armazena e analisa as informações. Esse é somente um exemplo das oportunidades que existem para empresas brasileiras no mercado de internet das coisas. Recentemente, escrevi também sobre a Stara, que criou um trator conectado.

“O medidor já estava desenvolvido e a integração com o serviço de nuvem levou menos de um mês”, afirma Ricardo Buranello, vice-presidente da Telit para a América Latina. “O mercado de internet das coisas foi um dos poucos não impactados pela crise.”

A Kron espera faturar cerca de R$ 5 milhões neste ano com a venda do Konect no Brasil, além de buscar oportunidades com seus distribuidores em outros países da América Latina. Sediada em Londres, a Telit fabrica módulos de comunicação e oferece serviços para que seus parceiros criem soluções de internet das coisas.

“O Konect é o primeiro produto de uma família que vai estar na nuvem”, diz Roberto Bedicks, presidente da Kron. Com 62 anos de existência, a Kron tem 65 funcionários e faturou R$ 23 milhões em 2015.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Stefanini afirma que outros países não fazem diferença entre atividade meio e atividade fim na terceirização / Renato Cruz/inova.jor

Stefanini: ‘Terceirização traz investimento e crescimento’

A Stefanini é uma empresa brasileira de tecnologia da informação que atua em 39 países. No Brasil, emprega 12 mil funcionários. O inova.jor conversou com Marco Stefanini, presidente global e fundador do grupo que leva seu nome, sobre a projeto de lei de terceirização aprovado ontem (22/3) pela Câmara. O[…]

Leia mais »
A caixa de som inteligente Google Home deve concorrer com o Echo, da Amazon / Reprodução

Com Home, Google quer assumir o centro da casa conectada

Há pouco mais de dois anos, o Google comprou a Nest, fabricante de termostatos inteligentes, com o objetivo de assumir um papel de destaque na casa conectada. Os resultados ficaram aquém do esperado. Existe uma grande discussão sobre qual será o centro da casa inteligente. Alguns acreditam que os dispositivos serão[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami