inova.jor

inova.jor

Qual é o lugar da inovação na grande empresa?

Federico Flórez, da Ferrovial, participou de evento da CIONet Brasil / Divulgação
Federico Flórez, da Ferrovial, participou de evento da CIONet Brazil / Divulgação

As atividades de inovação e de tecnologia da informação devem ficar sob a responsabilidade do mesmo executivo? Esse é o modelo adotado pela Ferrovial, empresa espanhola de infraestrutura.

Na semana passada, seu diretor de Informação e Inovação, Federico Flórez, participou em São Paulo de um evento da CIONet Brazil, rede de diretores de tecnologia da informação.

“Considero um erro separar tecnologia da informação e inovação, pois a equipe de tecnologia é quem implementa a estratégia de inovação”, afirma Flórez, em entrevista ao inova.jor. “Acredito que, somente quando a área de tecnologia não está bem, e seus esforços estão totalmente focados em resolver problemas do dia a dia, não é recomendado manter as duas atividades juntas.”

Segundo Flórez, é muito difícil conseguir de funcionários inovações rompedoras, já que normalmente as ideias que vêm deles indicam melhoras para produtos e processos que já existem.

A estratégia da Ferrovial para conseguir esse tipo de inovação é buscá-las em startups, por meio de desafios de negócios. A empresa busca identificar essas empresas iniciantes em plataformas via internet.

A Ferrovial não investe diretamente em startups, mas assina contratos para torná-las fornecedoras. “Adotamos o modelo de inovação aberta”, afirma o executivo. “Quando identificamos que a startup possui um ativo real, a Ferrovial se torna cliente dela.”

Isso acontece somente depois de que a solução oferecida pela startup passa por um teste numa situação real, como prova de conceito. A empresa busca parcerias com companhias iniciantes de várias partes do mundo, como Estados Unidos, Israel e Ásia, e não somente da Espanha ou da Europa.

No ano passado, a Ferrovial registrou faturamento de € 9,7 bilhões.

CIONet

O evento “Inovação & Startups”, da CIONet, aconteceu na quarta-feira passada, no Cubo. O evento reuniu 180 participantes.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Jamie Dimon, do JPMorgan, acredita que governos vão acabar com o bitcoin / Steve Jurvetson/Creative Commons

Jamie Dimon, do JPMorgan, não para de criticar o bitcoin

O JPMorgan Chase é o maior banco dos Estados Unidos e o segundo do mundo, em valor de mercado. Seu presidente, Jamie Dimon, não consegue parar de criticar a moeda digital bitcoin. Em setembro, ele chamou o bitcoin de fraude. Na quinta-feira (12/10), o executivo disse que não voltaria a[…]

Leia mais »
O setor de tecnologia da informação só perde para o financeiro na ocupação de escritórios em São Paulo / Renato Cruz/inova.jor

Setor de tecnologia é o segundo na ocupação de escritórios

As empresas de tecnologia da informação estão em segundo lugar na ocupação de escritórios em São Paulo, segundo pesquisa da SiiLA Brasil. No fim do segundo trimestre, eram 309,8 mil metros quadrados ocupados, o que corresponde a 7% dos espaços monitorados pela plataforma de dados do mercado de imóveis comerciais[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami