inova.jor

inova.jor

Qual é o lugar da inovação na grande empresa?

Federico Flórez, da Ferrovial, participou de evento da CIONet Brasil / Divulgação
Federico Flórez, da Ferrovial, participou de evento da CIONet Brazil / Divulgação

As atividades de inovação e de tecnologia da informação devem ficar sob a responsabilidade do mesmo executivo? Esse é o modelo adotado pela Ferrovial, empresa espanhola de infraestrutura.

Na semana passada, seu diretor de Informação e Inovação, Federico Flórez, participou em São Paulo de um evento da CIONet Brazil, rede de diretores de tecnologia da informação.

“Considero um erro separar tecnologia da informação e inovação, pois a equipe de tecnologia é quem implementa a estratégia de inovação”, afirma Flórez, em entrevista ao inova.jor. “Acredito que, somente quando a área de tecnologia não está bem, e seus esforços estão totalmente focados em resolver problemas do dia a dia, não é recomendado manter as duas atividades juntas.”

Segundo Flórez, é muito difícil conseguir de funcionários inovações rompedoras, já que normalmente as ideias que vêm deles indicam melhoras para produtos e processos que já existem.

A estratégia da Ferrovial para conseguir esse tipo de inovação é buscá-las em startups, por meio de desafios de negócios. A empresa busca identificar essas empresas iniciantes em plataformas via internet.

A Ferrovial não investe diretamente em startups, mas assina contratos para torná-las fornecedoras. “Adotamos o modelo de inovação aberta”, afirma o executivo. “Quando identificamos que a startup possui um ativo real, a Ferrovial se torna cliente dela.”

Isso acontece somente depois de que a solução oferecida pela startup passa por um teste numa situação real, como prova de conceito. A empresa busca parcerias com companhias iniciantes de várias partes do mundo, como Estados Unidos, Israel e Ásia, e não somente da Espanha ou da Europa.

No ano passado, a Ferrovial registrou faturamento de € 9,7 bilhões.

CIONet

O evento “Inovação & Startups”, da CIONet, aconteceu na quarta-feira passada, no Cubo. O evento reuniu 180 participantes.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Banco inter lançou recentemente o serviço de banco digital para pequenas e médias empresas / Renato Cruz/inova.jor

Banco Inter quer ser o primeiro banco brasileiro 100% na nuvem

O Banco Inter quer se tornar o primeiro banco brasileiro 100% na nuvem. Controlado pela família Menin, dona da incorporadora MRV, oferece contas digitais sem a cobrança de tarifa desde 2015. “Como banco de varejo, já nascemos digitais”, afirma João Vitor Menin, presidente do Banco Inter. “Nunca chegamos a ter[…]

Leia mais »
Mercado da Blockbuster foi rompido pelo Netflix, segundo Clayton Christensen

Você sabe o que é ‘inovação rompedora’? Clayton Christensen explica que não

Com o clássico O dilema do inovador, publicado em 1997, Clayton Christensen, professor da Escola de Administração de Harvard, explicou ao mundo o conceito de “inovação rompedora” (“disruptive innovation”, que as pessoas por aqui insistem em traduzir como “disruptiva”). Recentemente, sua teoria da ruptura tem recebido ataques. Andrew King e Baljir Baatartogtokh publicaram[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami