inova.jor

inova.jor

Investidores brasileiros buscam bitcoins

As moedas eletrônicas bitcoins serão debatidas pela primeira vez na feira Cards Payment & Identification. Foto: Divulgação
Bitcoins serão tema de debate na feira Cards Payment & Identification /Divulgação

Num cenário de crise, faz sentido investir em bitcoins? Com a desvalorização do real e a expectativa de cobrança de impostos sobre transações, com um possível retorno da CPMF, os investidores brasileiros buscam alternativas de investimento.

O bitcoin é uma moeda virtual anônima, que não está vinculada a nenhum banco central, e o interesse por ela vem crescendo. No Brasil, estima-se que há cerca de 50 mil usuários da criptomoeda.

Em 2015, houve um total de R$ 113,1 milhões em transações com bitcoin no País, 158% a mais que no mesmo período no ano anterior. A estimativa é que as transações alcancem R$ 300 milhões até dezembro.

Mesmo com o crescimento exponencial dos últimos anos, o Brasil está longe de ter uma liderança mundial. Isso é refletido no número de empresas que aceitam a moeda em transações em solo brasileiro, um total de 15 mil estabelecimentos frente a 200 mil no mundo.

Luis Veiga é o diretor da feira. Foto: Divulgação
Luis Veiga, diretor da Cards / Divulgação

O avanço do interesse em bitcoins será tema de debate durante o evento Cards Payment & Identification 2016. O encontro acontecerá entre os dias 15 e 17 de junho em São Paulo.

Luiz Veiga, diretor da feira, acredita que a discussão do uso de bitcoins é importante para o mercado. “Notamos que as pessoas buscam mais informações sobre bitcoin. Existe uma parcela da sociedade que não quer mais ser bancarizada e o bitcoin pode ser uma alternativa para essas pessoas”, disse Veiga.

Para a preparação do debate, os organizadores da feira criaram o e-book “Bê-à-bá do bitcoin” para sanar as principais dúvidas sobre a moeda eletrônica. O livro pode ser baixado gratuitamente mediante um rápido cadastro.

Alternativa

Apesar do avanço, Veiga não acredita que a crise vai transformar o bitcoin num investimento importante.

“Acreditamos que o número de usuários vai aumentar, mas que esse momento não será disruptivo. O mercado está buscando algo alternativo e o bitcoin pode ser um bom investimento num futuro próximo, mas dependemos do amadurecimento natural do mercado e do interesse das pessoas”, completa o organizador da feira.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Stefanini afirma que outros países não fazem diferença entre atividade meio e atividade fim na terceirização / Renato Cruz/inova.jor

Stefanini: ‘Terceirização traz investimento e crescimento’

A Stefanini é uma empresa brasileira de tecnologia da informação que atua em 39 países. No Brasil, emprega 12 mil funcionários. O inova.jor conversou com Marco Stefanini, presidente global e fundador do grupo que leva seu nome, sobre a projeto de lei de terceirização aprovado ontem (22/3) pela Câmara. O[…]

Leia mais »
Faturamento da indústria eletroeletrônica voltou a crescer depois de três anos de queda / Renato Cruz/inova.jor

Notebook e celular puxam retomada do setor eletroeletrônico

O faturamento da indústria eletroeletrônica brasileira registrou alta de 5% neste ano, somando R$ 136,1 bilhões. Desde 2013 o setor não registrava crescimento. Apesar do avanço, a receita da indústria ainda está abaixo dos R$ 138,1 bilhões registrados em 2011. A recuperação foi liderada por uma alta de 21% nas[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami