inova.jor

inova.jor

Pulseira substitui cartão de débito

Orlando Purim Jr. comanda a Atar, que criou uma pulseira inteligente / Renato Cruz/inova.jor
Orlando Purim Jr. comanda a Atar, que criou uma pulseira inteligente / Renato Cruz/inova.jor

A Atar, startup sediada em Timbó (SC), criou uma pulseira inteligente, que substitui o cartão de débito. Ela funciona com tecnologia NFC (sigla em inglês de comunicação de proximidade). Para pagar, é só aproximá-la do leitor de cartões e digitar a senha.

“Oitenta e cinco por cento dos leitores de cartões no Brasil têm NFC”, afirma Orlando Purim Jr., de 25 anos, diretor executivo e cofundador da Atar. O produto encontra-se em pré-venda, por R$ 249. Quem comprar agora deve receber a pulseira em agosto.

A Atar Band funciona como um cartão pré-pago. O usuário emite um boleto e transfere dinheiro para a pulseira. Segundo Purim Jr., com o sistema de controle de gastos do aplicativo que acompanha o produto é possível fazer previsões de quanto transferir a cada mês.

A mensalidade da Atar Band é de R$ 7, com isenção nos três primeiros meses. O primeiro boleto mensal é grátis, e os outros custam R$ 3 cada.

O empreendedor destaca que a pulseira é à prova d’água e não tem bateria. O aplicativo apresenta notificações a cada compra e registra o histórico de pagamentos.

Apesar de promissor, o mercado de vestíveis ainda precisa se provar. O dispositivo mais famoso é o Apple Watch, que também faz pagamentos por NFC. “A Atar Band é especializada em pagamentos e tem preço muito menor”, destaca Purim Jr.

A Atar fez um teste com 100 usuários. “A pulseira foi apontada como meio preferencial de pagamento por 77 pessoas que participaram do teste”, diz o empreendedor.

Investimento

Desde sua fundação, a Atar recebeu investimento de R$ 1 milhão. A empresa faz parte do programa Sinapse da Inovação, de Santa Catarina, e também recebeu aporte de um investidor anjo do mercado financeiro de São Paulo.

Criada há dois anos e meio, tem uma equipe de oito pessoas, incluindo os três sócios fundadores. A empresa busca acordos para que tíquetes e créditos de programas de fidelidade também possam ser usados por meio da pulseira.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Amos Genish, da Vivo, diz que empresas precisam ser mais inovadoras

‘Brasil precisa criar centros tecnológicos’, diz presidente da Vivo

“O Brasil precisa criar centros tecnológicos aqui”, afirmou ontem Amos Genish, presidente da Vivo, durante a inauguração da nova sede da Wayra, aceleradora de startups do grupo espanhol. “Para saírem da crise, as empresas brasileiras precisam inovar mais, para se tornarem mais competitivas.” Segundo Genish, não falta competência aos profissionais[…]

Leia mais »

Oi aposta em aplicativos após pedido de recuperação judicial

Com uma dívida de R$ 65,4 bilhões discutida em processo de recuperação judicial, a operadora de telecomunicações Oi foi buscar inspiração nas startups para tentar sair da crise. A reformulação estrutural da companhia ocorre desde janeiro, com a criação de um departamento digital, chefiado por Maurício Vergani, diretor de Estratégia[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami