inova.jor

inova.jor

Por que a Microsoft comprou o LinkedIn

Jeff Weiner (presidente do LinkedIn), Satya Nadella (presidente da Microsoft) e Reid Hoffman (presidente do conselho do LinkedIn) / Divulgação
Jeff Weiner (presidente do LinkedIn), Satya Nadella (presidente da Microsoft) e Reid Hoffman (chairman do LinkedIn) / Divulgação

Sob o comando de Satya Nadella, a Microsoft tem feito um movimento forte para a computação em nuvem, ao mesmo tempo em que busca se posicionar como uma empresa mais aberta a parcerias e à integração com outras plataformas.

A aquisição do LinkedIn por US$ 26,2 bilhões, a maior da história da Microsoft, é o segundo grande negócio anunciado durante a gestão de Nadella. Em 2014, a empresa comprou a Mojang, responsável pelo jogo Minecraft, por US$ 2,5 bilhões.

A Microsoft está bem posicionada no mercado de nuvem,  disputando a liderança com a Amazon, mas faltava à companhia uma presença mais forte no mundo das redes sociais.

Caso seja bem-sucedida, a compra permitirá integrar a maior rede profissional do mundo a ferramentas como Skype (chamadas e mensagens), Dynamics (sistemas de gestão de negócios e de clientes), Outlook (correio eletrônico), Azure (computação em nuvem) e ao próprio Office (textos, planilhas e apresentações).

Mobilidade

Além de garantir uma presença interessante para a Microsoft em redes sociais, a compra do LinkedIn dá à empresa de software uma participação importante no mercado de mobilidade. Atualmente, 60% do uso da rede social acontecem no celular.

Isso é importante se for levado em conta o resultado ruim da compra da Nokia pela Microsoft, por US$ 7,2 bilhões, antes de Nadella assumir o posto de presidente da companhia.

No ano passado, a Microsoft foi obrigada a dar baixa contábil de US$ 7,6 bilhões relativos a perdas com a aquisição da fabricante de celulares.

A participação do sistema operacional Windows nas vendas mundiais de smartphones caiu de 2,5% no primeiro trimestre de 2015 para 0,7% no mesmo período deste ano, segundo a consultoria Gartner.

A Microsoft espera concluir a compra do LinkedIn até o fim deste ano. Resta saber se essa vai ser uma aquisição de sucesso, como foi a do Skype, em 2011.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Fintech criada pela Caixa quer mudar o mercado de seguros

Mais da metade das pessoas que possuem contas bancárias no mundo usa algum produto ou serviço de pelo menos uma fintech (empresas de finanças com alto apelo tecnológico). A informação faz parte da primeira edição do estudo World FinTech Report (WFRT), fruto de parceria entre LinkedIn, Capgemini e Efma. Segundo o estudo,[…]

Leia mais »
A Siemens apresentou aplicações baseadas no conceito de gêmeo digital em Hannover / Renato Cruz/inova.jor

O que esperar da tecnologia em 2018

Este ano promete ser de mudanças rápidas no mercado. Tecnologias consolidam-se e trazem resultados mais amplos a partir de agora. Abaixo, destaco quatro tendências apontadas por pesquisas e relatórios internacionais que devem se fortalecer durante 2018. 1. Interface invisível Com o avanço da tecnologia digital, consumidores convivem com uma proliferação[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami