inova.jor

inova.jor

Como as geotecnologias ajudam o agronegócio

Geotecnologias: A Agrotools quer oferecer serviços em nuvem ao pequeno produtor / Secretaria de Agricultura e Abastecimento/Creative Commons
A Agrotools quer oferecer serviços em nuvem ao pequeno produtor / Secretaria de Agricultura e Abastecimento/Creative Commons

Quando estava à frente da Intel Brasil, no ano passado, Fernando Martins anunciou a criação, em parceria com a Jacto, do Centro de Inovação no Agronegócio (CIAg), para aplicar conceitos de big data e internet das coisas ao setor.

Martins acaba de assumir a presidência da AgroTools, uma empresa brasileira de gestão territorial e monitoramento de riscos de ativos biológicos. A nova posição reflete a visão do executivo sobre a oportunidade de aplicação de tecnologias digitais ao agronegócio.

“Até 2050, o mundo terá 9 bilhões de pessoas para serem alimentadas”, afirma Martins. “Nos próximos 40 anos, teremos de produzir a mesma quantidade de alimentos que nos últimos 10 mil anos. Só conseguiremos alcançar a meta de forma sustentada com geocolaboração.”

O Brasil é o segundo maior produtor agrícola do mundo, tendo exportado quase US$ 1 trilhão em produtos agrícolas desde 1999.

Fundada há oito anos por Sergio Rocha, a AgrooTools tem em sua carteira de clientes grandes empresas como Walmart e McDonald’s. “Fazemos big data antes mesmo de existir a expressão big data”, diz Rocha, que continua como presidente do conselho.

As grandes empresas usam os serviços da AgroTools para otimizar os processos nas cadeias de suprimentos e para mitigar riscos. “Elas não querem estar relacionadas a práticas que tenham impacto socioambiental”, explica o fundador da AgroTools.

Para o Walmart, a AgroTools monitora uma área maior do que o Reino Unido, para garantir que seus fornecedores de carne seguem boas práticas. Para o McDonald’s, oferece informações referentes a 2,5 milhões de cabeças de gado.

Geotecnologias

eotecnologias: Fernando Martins, da AgroTools / Divulgação
Fernando Martins, da AgroTools / Divulgação

A ideia de Fernando Martins é tornar as geotecnologias disponíveis ao pequeno produtor, por meio de um serviço colaborativo, no modelo de computação em nuvem.

A AgroTools tem um aplicativo chamado TerrasWeb, que tem esse objetivo. “O modelo é freemium, em que uma parte dos dados é gratuita e outras não”, explica Martins.

A ideia é incentivar que os usuários compartilhem informações. “O fazendeiro que compartilhar o microclima dele tem acesso ao do vizinho”, diz o executivo. “Também é possível incentivar a formação de microcooperativas instantâneas, para a compra de sementes, por exemplo.”

Atualmente, os produtos usam principalmente grupos no WhatsApp para compartilhar esse tipo de informação. “Mas a frase ‘caiu uma geada aqui’ fica perdida no meio das fotos da festa do peão de boiadeiro e da notícia de que alguém bateu o carro.”

Hoje (23/6), a Agrotools promoveu, em parceria com o Google, o evento Agrofuture.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Por que sua cidade precisa de um sistema operacional

PORTO ALEGRE Imagine um sistema operacional como Windows, Linux, Android ou iOS implementado na sua cidade, transformando-a num ambiente de serviços públicos totalmente conectados. Esse modelo aparentemente futurista é o que a PUCRS pretende criar nos próximos anos em Porto Alegre. O conceito de sistema operacional de cidade já está sendo implementado[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami