inova.jor

inova.jor

Como as startups contribuem para a economia

No ano passado, 1.569 startups se inscreveram no programa 100 Open Startups / Divulgação
No ano passado, 1.569 startups se inscreveram no programa 100 Open Startups / Divulgação

O mercado de startups tem crescido nos últimos anos no Brasil, mantendo-se atrativo até mesmo em período de crise econômica.

É o que indica estudo da Associação a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas empresas (Sebrae).

O Estudo de impacto econômico, segmento de incubadoras de empresas do Brasil aponta que o faturamento de empresas apoiadas por incubadoras já ultrapassa R$ 15 bilhões anuais.

O setor gera ainda 53.280 empregos diretos, numa época de economia em recessão com constantes altas no índice de desemprego.

Ecossistema

O relacionamento das startups com grandes empresas é um ponto importante do dinamismo desse mercado.

Por um lado, esse tipo de acordo reduz o risco das startups, ao garantir uma fonte importante de receita para as empresas iniciantes. Por outro, traz dinamismo e inovação à operação das grandes corporações.

O programa 100 Open Startups proporciona o encontro entre novas empresas e companhias já consolidadas.

A expectativa é que 100 empresas iniciantes sejam selecionadas para a segunda edição do projeto, que tem inscrições abertas até 15 de agosto.

No ato da inscrição, é preciso escolher em qual dos 20 desafios temáticos da sociedade a startup pode contribuir com soluções. Há desafios nas áreas de saúde, educação, energia, moda e urbanização, entre outros.

As propostas são avaliadas por especialistas e executivos de empresas como 3M, IBM, Abbott, Natura, Whirpool e Boticário.

Caso o projeto seja de interesse das empresas, será agendada uma apresentação em evento em 12 cidades brasileiras e outras nove no exterior.

Realizada ano passado, a primeira edição contou com 1.569 inscritos, 53 contratos firmados e outros 692 em fase de negociação, segundo a organização.

Neste ano, o programa pretende atrair também empresas de outros países, que estejam prontas para receber investimento.

Ao fim do programa, será criado um ranking das startups mais atraentes para o mercado, tendo como base uma pontuação definida pelas empresas parceiraas do projeto.

No ano passado, a líder do ranking foi a startup paulistana Learn Survey, que faz pesquisas presenciais via crowdsourcing.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor

Lei de incentivo à fabricação de eletrônicos precisa ser revista

A Lei de Informática oferece incentivos fiscais para computadores e equipamentos de telecomunicações produzidos no Brasil. A política foi condenada pela Organização Mundial do Comércio (OMC), a partir de uma série de denúncias do Japão e da União Europeia, sob o argumento de que torna injusta a competição com produtos[…]

Leia mais »
O lago do Januacá é uma das regiões escolhidas para estudar os impactos ambientais na Amazônia / Rodrigo Borges

Sensores monitoram mudança climática na Amazônia

Um grupo de 150 cientistas de diversos países vai aplicar sensores e análise de dados para estudar o funcionamento da Amazônia em condições naturais e como ele será afetado pelas mudanças no uso de solo e clima. A agenda foi definida em encontro do Programa de Grande Escala Biosfera-Atmosfera na Amazônia[…]

Leia mais »

3 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami