inova.jor

inova.jor

Qual é o impacto do Marco Civil da Internet nos serviços de conexão e aplicativos

Direito das Comunicações: Conteúdo Patrocinado - Meister Scorsim Advocacia

Por ser recente, ainda há dificuldade de interpretação do Marco Civil da Internet na prática / inova.jor
Por ser recente, ainda há dificuldade de interpretação do Marco Civil da Internet na prática / inova.jor

O Marco Civil da Internet define direitos e deveres de cidadãos e empresas na internet. Essa lei tem impacto em áreas como telecomunicações,  comércio eletrônico, negócios digitais, mobilidade, entretenimento, educação digital, startups de tecnologia e aplicativos.

Pela sua atualidade e abrangência, é considerado referência internacional. Porém, por ser recente, ainda há dificuldade de interpretação do Marco Civil da Internet na prática.

O assunto é um dos destaques do e-book Direito das Comunicações – Regime Jurídico: Telecomunicações, Internet, TV por Radiodifusão e TV por Assinatura, escrito pelo advogado e consultor em direito público Ericson M. Scorsim, doutor em Direito pela USP, mestre em Direito pela UFPR, especialista em Direito das Comunicações e sócio fundador do Escritório Meister Scorsim Advocacia.

Com exemplos do cotidiano e linguagem acessível, o autor explica como o Marco Civil  da Internet é aplicado diariamente e como impacta na empresas e na vida dos brasileiros.

Marco Civil da Internet: Direito das Comunicações – Regime Jurídico: Telecomunicações, Internet, TV por Radiodifusão e TV por Assinatura / ReproduçãoOs brasileiros são intensos usuários de serviços chamados over the top (prestados via internet), como WhatsApp, Facebook, YouTube e Netflix. Por isso, é importante entender conceitos definidos pela lei, como neutralidade de rede e guarda de registros de usuários.

O autor explica no livro os motivos de o serviço de mensagem WhatsApp ser frequentemente retirado do ar no Brasil, por decisões judiciais.

“As empresas estrangeiras que oferecem aplicações de internet em território nacional submetem-se à jurisdição brasileira”, explica Scorsim. “Daí o dever dessas empresas estrangeiras de aplicativos em colaborar com a Justiça, nas hipóteses de ordem judicial de quebra de sigilo das comunicações, para requisitar a apresentação de dados pessoais, conteúdo das comunicações privadas, bem como registros de acesso e conexão à internet.”

Mas, em caso de recusa de prestar informações sobre dados pessoais e conteúdos das comunicações privadas por determinação judicial nas hipóteses previstas na legislação, a Justiça brasileira pode aplicar multas, mas não pode determinar a suspensão do serviço de aplicativo de comunicações, medida excessiva e desproporcional ao propósito da lei.

Na hipótese de a empresa não ter os dados pessoais pedidos ou acesso ao conteúdo das comunicações privadas por força de decisão judicial, devido o uso de criptografia de ponta a ponta, como é o caso do WhatsApp, a empresa não pode ter seus serviços suspensos.

Nesses casos, segundo o autor, “é necessária a devida justificativa técnica da empresa de aplicativos quanto à impossibilidade de cumprimento da decisão judicial perante a Justiça”.

Regulamentação do Marco Civil da Internet, em decreto

A neutralidade da rede é outro aspecto discutido no e-book. Este princípio determina que todos os pacotes de dados devem ser tratados da mesma forma, independentemente da informação que carregam.

“Um provedor de conexão à internet não pode discriminar os pacotes de dados de um provedor de vídeo online. Também não pode discriminar os pacotes de dados de um provedor de voz, como, por exemplo, o Skype”, explica o advogado autor do ebook.

Recentemente, o Marco Civil da Internet foi regulamentado por meio de um decreto presidencial. A regulamentação proíbe a priorização de dados em razão de acordos comerciais.

“A questão jurídica é que a lei não trata expressamente deste tema, o que pode gerar controvérsia sobre a legalidade do decreto”, aponta Scorsim.  Segundo o autor“Além disso, ao que parece, o decreto proíbe a criação de linhas rápidas de serviço de conexão à internet para determinada classe de usuário.”

No entanto, segundo o especialista, o decreto não proíbe a oferta de serviços com tarifa zero (zero rating) ou serviços especializados que garantam a entrega de pacotes de dados na hipótese de congestionamento de redes.

O e-book Direito das Comunicações – Regime Jurídico também trata das legislações para internet, telecomunicações, TV e rádio radiodifusão e TV paga.

Ele está disponível para download gratuito no site da Meister Scorsim Advocacia.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

França procura startups brasileiras

Startups de todas as partes do mundo podem concorrer a um ano de atividades numa incubadora da França com as despesas pagas. O programa French Tech Ticket quer encontrar 70 empresas em fase de criação ou expansão dispostas a se desenvolver com o auxílio de profissionais especializados. Para participar, as startups[…]

Leia mais »

Avanço das comunicações móveis exige evolução da indústria

Muitos provavelmente se lembram de quando receberam sua primeira mensagem de texto ou baixaram sua primeira página num celular. Hoje, um celular pode baixar vídeos de alta resolução em segundos e oferecer uma taxa de transferência de dados mais alta do que seu primeiro laptop. No entanto, o objetivo da[…]

Leia mais »

3 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami