inova.jor

inova.jor

‘Transformação digital abre via de acesso ao ataque de hackers’

Hackers: Funcionários das empresas devem ser preparados para transformação digital, dizem especialistas / Divulgação
Funcionários das empresas devem ser preparados para a transformação digital, dizem especialistas / Divulgação

Empresas do mundo inteiro passam por um período de transformação digital. Durante esse processo, executivos precisam conhecer melhor a figura do hacker, criminoso disposto a tirar vantagens ao criar o caos.

Entender como agem os hackers é a primeira etapa para manter os dados da empresa em segurança. É o que acredita Thomas Geiger, diretor de operações da empresa alemã CenterTools, especializada em segurança da informação.

“A transformação digital da sociedade abre uma nova e grande via de acesso ao ataques de hackers”, disse hoje (13/9) durante o evento it-sa Brasil 2016, em São Paulo.

Para o especialista, a falta de atenção em seguranças de dados é algo histórico, que começou com o uso comercial da internet. Foi a partir de episódios de grande impacto que empresas começaram a prestar a atenção nesse assunto.

Em pouco tempo, no entanto, o cibercrime se tornou um negócio milionário. O primeiro grande ataque por vírus, em 2000, chamado de “I Love You”, infectou dezenas de milhares de computadores no mundo inteiro, trazendo cerca de US$ 15 bilhões em prejuízo.

Hoje, com inúmeras variações de malwares, estima-se perdas mundiais de cerca de US$ 400 bilhões por ano devido a ataques cibernéticos.

“O malware se tornou um produto comercial. É preciso que os executivos entendam de uma vez por todas que quem faz isso não é mais um garoto nerd que infecta computadores com vírus por diversão. Há no mundo uma poderosa indústria de crime disposta a tirar vantagem”, diz Geiger.

Medidas de segurança

Thomas Geiger, da CenterTools / Divulgação
Thomas Geiger, da CenterTools / Divulgação

Para evitar perder valores e informações na rede é possível que as empresas tomem algumas atitudes.

Uma delas, é ensinar os funcionários a realizar boas práticas do mundo digital. Estima-se que 70% dos ataques criminosos bem-sucedidos aconteçam por comportamento errado dos usuários.

Também é necessário investir em técnicas e soluções de seguranças dentro das empresas. Auditorias internas precisam ser feitas com frequência para garantir a segurança dos dados.

A questão, no entanto, precisa ser vista com velocidade. Isso porque o mundo está no que os especialistas consideram a metade da transformação digital.

A próxima fase dessa transformação será a integração e tráfego de dados entre máquinas, sem ser necessário a participação humana neste processo, no que a indústria chama de internet das coisas.

Em sistemas poucos seguros, essa tecnologia será uma grande porta de entrada para contaminações, acredita Geiger.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Rede social: Venturus aposta em projetos de casa conectada / Divulgação

Você está pronto para a rede social das coisas?

Na casa conectada, os equipamentos vão trocar informações e formar uma verdadeira “rede social das coisas”, na visão do Venturus, centro de pequisa e desenvolvimento localizado em Campinas. Marcelo Abreu, gerente executivo do Venturus, acredita que essa rede social mostrará, por exemplo, quais eletrônicos trabalham bem juntos, o que ajudará,[…]

Leia mais »

Coworking Impact Hub chega a Manaus

Compartilhar espaços e promover integração entre pessoas são atividades cada vez mais comuns no cotidiano das grandes metrópoles. Em Manaus, cuja economia tem como base os chãos de fábrica do polo industrial, os coworkings podem parecer pouco viáveis. Esses espaços colaborativos de trabalho, no entanto, têm conquistado muitos adeptos na cidade. Atualmente, Manaus[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami