inova.jor

inova.jor

‘Mídia digital ainda é muito subvalorizada’

Mídia digital: Consumidores brasileiros gostam de ver TV acessando a Internet / Robert S. Donovan / Creative Commons
Consumidores brasileiros gostam de ver TV acessando a internet / Robert S. Donovan/Creative Commons

Quando foi a última vez que você mudou de canal da sua televisão por terem começado os comerciais? Ou que você pulou a propaganda antes do vídeo do YouTube?

A maneira como as pessoas consomem conteúdo tem mudado rapidamente em todo o mundo, mas a evolução do mercado publicitário não acompanha o mesmo ritmo.

Em se tratando de Brasil, o período para se chegar lá pode ser ainda mais longo. Para Alexandre Morais, diretor da Sizmek no País, ainda damos os primeiros passos.

“O investimento em publicidade online, por exemplo, é muito pequeno em relação à audiência que a internet já tem. Apenas de 14% a 17% do investimento são destinados a esse tipo de publicidade. A maioria ainda vai para a televisão”, diz Morais.

A Kantar Ibope Media informou que, entre janeiro e junho deste ano, a publicidade tinha movimentado mais de R$ 60 milhões no Brasil.

A TV aberta ficou com a maior fatia (55,5%) e a TV paga com a segunda maior (11,8%). Os anúncios de display na internet (como banners) receberam apenas 4,2% dessa fatia.

Mas o consumidor está mudando. Uma pesquisa feita pela Secretaria de Comunicação do Governo Federal avaliou o consumo e os hábitos dos brasileiros em 2015.

Divulgada no ano passado, a pesquisa apontou 37% dos brasileiros acessam internet em algum momento na semana, sendo que, entre os que acessam, 76% disseram usá-la diariamente.

Apesar de os números de audiência de televisão ainda serem mais altos, apenas 23% pessoas disseram que dão atenção exclusiva ao aparelho de TV quando assistem a algum programa.

Boa parte dos entrevistados (19%) disse usar o celular enquanto assistia à televisão, 12% acessam a internet ao mesmo tempo e 7% afirmaram que trocam mensagens por aplicativos de celular em frente à TV.

David Reck, presidente da Reamp, empresa especializada em soluções e consultorias de marketing, alerta para mudanças de estratégias para atingir esse novo tipo de consumidor.

“A mídia digital ainda é muito subvalorizada em relação às demais, apesar de ser a mais completa para acompanhar os resultados. A audiência de outras mídia tem diminuído consideravelmente. E pouco se questiona se o consumidor está mesmo prestando atenção naquela campanha”, diz Reck.

Foco nos dados

Para atender esse novo perfil, as empresas de publicidade têm apostado em ações de multitelas, em que o usuário pode encontrar a marca em propagandas tanto na televisão quanto em aparelhos com acesso à internet, como notebooks, tablets e celulares.

“Essa é uma tendência global e mercados muito mais focados no digital como Londres e Nova York já usam bastante. O Brasil possui um modelo de negócio muito diferente dos outros países, mas a procura já está aumentando”, diz o executivo da Sizmek.

Outra característica do mercado nacional é o uso constante de celulares. O executivo da Reamp afirma que as empresas estão atentas a esse público, criando campanhas focadas exclusivamente para dispositivos móveis.

“Hoje é possível ter muito mais dados e informações preciosas pelo celular. Sabemos por onde aquele consumidor anda, que tipo de aplicativos ele tem e até com quem ele costuma se relacionar. O volume de dados é ainda maior do que já tínhamos com as informações adquiridas em um navegador de desktop”, diz Reck.

Os brasileiros são considerados bem ativos nas redes sociais, e boa parte do investimento em mídia digital vai para essas plataformas.

Porém, é preciso monitorar também como a rede está tratando a imagem da companhia e se as campanhas são bem-sucedidas.

A Sizmek, por exemplo, usa inteligência artificial para avaliar como a imagem do cliente está sendo tratada nas redes sociais.

A Reamp possui um dispositivo antifraude, que ajuda a monitorar se a campanha em mídia digital realmente alcançou o público estimado ou se foi apenas simulada por um robô.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

YouTube Red estreia nos EUA

Você pagaria para não ver anúncios no YouTube?

Estreou ontem, nos Estados Unidos, o YouTube Red, a versão paga do YouTube que não tem anúncios durante a exibição dos vídeos. A assinatura custa US$ 9,99 para Android e desktop, e US$ 12,99 para iOS. A empresa ainda não tem datas de expansão da versão paga para outros países.[…]

Leia mais »
Adele Sweetwood, da SAS, participou do Customer Intelligence Forum, em São Paulo / Divulgação

‘Análise de dados dá mais poder à criatividade’

Adele Sweetwood, vice-presidente sênior de marketing global do SAS, publicou recentemente nos Estados Unidos o livro The Analytical Marketer (Harvard Business Review Press). Nele, ela mostra como as ferramentas de análise de dados têm transformado o marketing. A executiva conversou com inova.jor na semana passada, quando visitou o Brasil para[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami