inova.jor

inova.jor

Quando as máquinas aprendem a conversar de verdade

A Amazon quer transformar a Alexa num sistema de inteligência artificial que converse de verdade / Rob Albright/Creative Commons
A Amazon quer transformar a Alexa num sistema de inteligência artificial que converse de verdade / Rob Albright/Creative Commons

Máquinas que entendem comandos de voz já viraram lugar comum, mas os sistemas de inteligência artificial ainda não são capazes de participar de uma conversa de verdade, como o C-3PO, de Star Wars (ou o HAL 9000, de 2001, para dar um exemplo não tão benigno).

A Amazon quer mudar isso, e lançou ontem (29/9) o desafio Alexa Prize, que recebeu o nome de seu agente de voz Alexa, presente em diversos dispositivos, como o Echo.

O Echo é uma torre com microfone e caixas acústicas, ligada à internet, com a qual as pessoas podem interagir com comandos de voz. Alexa é o nome do sistema que responde a esses comandos.

A Amazon quer transformar a Alexa de um agente que atende comandos simples de voz para um sistema capaz de conversar naturalmente com as pessoas.

O Alexa Prize será um concurso anual de universidades com um prêmio de US$ 500 mil para o grupo que conseguir criar a melhor solução de inteligência artificial conversacional com base na Alexa.

Em sua primeira edição, as equipes terão de construir sistemas capazes de conversar sobre temas populares e eventos noticiosos.

Quem conseguir criar um bot capaz de manter uma conversa coerente e interessante com humanos por 20 minutos receberá um prêmio adicional de US$ 1 milhão.

O linguista Dan Jurafsky, professor da Universidade de Stanford, disse no comunicado da Amazon: “Conversar por 20 minutos é difícil para a maioria dos humanos e um desafio extraordinariamente ambicioso para bots que estão aprendendo a conversar como nós”.

As inscrições estão abertas e o vencedor será anunciado no evento AWS re:invent em novembro de 2017. Até 10 equipes serão patrocinadas pela Amazon, o que inclui US$ 100 mil, equipamentos com a Alexa, serviços gratuitos da Amazon Web Services (AWS) e apoio da equipe da Alexa.

Entre outros recursos, os estudantes terão acesso, para uso não comercial, às notícias e comentários do Washington Post. (O jornal pertence a Jeff Bezos, presidente e fundador da Amazon.)

As inscrições vão até 28 de outubro.

Melhores práticas

Na quarta-feira, foi anunciada a organização sem fins lucrativos Partnership on AI (sigla em inglês de inteligência artificial), para definir melhores práticas para o setor.

Além da Amazon, fazem parte da entidade o Google, DeepMind (que pertence ao Google), Facebook, IBM e Microsoft.

O objetivo da parceria é conduzir pesquisas nas seguintes áreas:

  • ética, equidade e inclusão;
  • transparência, privacidade e interoperabilidade;
  • colaboração entre pessoas e sistemas de inteligência artificial; e
  • confiabilidade, segurança e robustez da tecnologia.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Google tem investimento direto em 11 cabos submarinos, inclusive no Brasil / Divulgação

Google amplia investimento em cabos submarinos

O Google tornou-se uma operadora de telecomunicações? Por muito tempo, as empresas tradicionais desse mercado têm se queixado das chamadas OTTs, sigla de over the top, companhias que prestam serviços via internet. As teles costumam reclamar do crescimento explosivo de tráfego de dados, que, segundo elas, não remunera o investimento[…]

Leia mais »

Facebook vai atrás de anunciantes até de caminhão

O Facebook quer aproveitar o crescimento do empreendedorismo no Brasil. A empresa de Mark Zuckerberg viaja até de caminhão para ensinar empresários brasileiros a usar a rede social para alavancar negócios. Considerada referência em pesquisas internacionais, a Monitor Empreendedorismo Global 2015 (GEM, na sigla em inglês) divulgou no início do[…]

Leia mais »

6 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami