inova.jor

inova.jor

No Japão, o robô pode ser o melhor amigo de um humano

O robô Kirobo Mini, da Toyota, ajusta sua conversação às preferências do usuário / Divulgação
O Kirobo Mini, da Toyota, ajusta sua conversação às preferências do usuário / Divulgação

A ideia de robôs domésticos tornou-se realidade somente no Japão. Pelo menos por enquanto. Hoje (3/10), foi a vez de a Toyota anunciar o Kirobo Mini, um autômato de 10 centímetros de altura que parece um bebê e conversa com seu dono.

Com início das vendas previsto para o ano que vem no Japão, o dispositivo tem preço previsto de cerca de US$ 400. Segundo a Toyota, o Kirobo Mini é capaz de:

  • Participar de uma conversa, gesticular e interpretar as expressões faciais do interlocutor;
  • Lembrar das preferências do usuário e de eventos passados, como viagens de carro que fizeram juntos;
  • Ser levado para qualquer lugar, já que cabe na palma da mão;
  • Melhorar a conversação com informações de objetos conectados, em casa ou no carro.

O anúncio causou certa polêmica, pois algumas notícias apontaram que o robô teria sido criado como um substituto de criança para mulheres sem filhos, diante da queda de natalidade japonesa.

Apesar de a Toyota não apresentar o robô explicitamente dessa forma, vídeos de demonstração mostram o Kirobo Mini interagindo com uma mulher jovem.

Sentimentos

O Kirobo Mini é apenas o exemplo mais recente de robô doméstico no Japão. Um autômato mais conhecido é o Paro, foca robô lançada no começo deste século para fazer companhia para idosos.

Outro exemplo é o Pepper, do Softbank, que também foi empregado como atendente em lojas do Japão.

Mas não são somente empresas japonesas que apostam em robôs domésticos. Durante a Consumer Electronics Show (CES), no começo deste ano em Las Vegas, a francesa Blue Frog Robotics demonstrou o Buddy, robô para a família desenvolvido com financiamento coletivo pelo Kickstarter.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Serviços como Netflix tem reduzido a demanda por TV paga / Divulgação/Netflix

Como o vídeo por streaming afeta a TV paga

No ano passado, o Brasil perdeu assinantes de TV paga pela primeira vez. Foram cerca de 500 mil pessoas que desligaram seus serviços de cabo ou satélite. Parte disso foi resultado da crise. Outra parte foi uma tendência que já acontece há algum tempo fora do Brasil, chamada “cord cutting”.[…]

Leia mais »
Novos domínios devem movimentar ainda mais o mercado de Internet nos próximos anos /Foto: High Ways Agency / Creative Commons

Quais são as melhores práticas para publicar dados na Web

O World Wide Web Consortium (W3C) lançou um documento de referência com recomendações para a publicação de dados na Web. Intitulado Boas Práticas para Dados na Web, o documento foi redigido por especialistas brasileiros do Centro de Estudos sobre Tecnologias Web (Ceweb.br), do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), e[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami