inova.jor

inova.jor

‘Regras do setor são incompatíveis com o mundo digital’

Evento da TelComp discute perspectivas para as telecomunicações em 2017 / Michael Coghlan/Creative Commons
Evento da TelComp discute perspectivas para as telecomunicações em 2017 / Michael Coghlan/Creative Commons

Este ano não foi fácil para as telecomunicações, diante das incertezas geradas pela necessidade de mudança na regulação e pelos cenários macroeconômico e político.

No começo do próximo mês, a Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas (TelComp) realiza um evento para discutir o cenário de mudanças para 2017.

As inscrições para o IX Seminário TelComp 2016, marcado para 8 de novembro, em São Paulo, podem ser feitas pelo site.

João Moura, presidente executivo da associação, fala, na entrevista a seguir, sobre as perspectivas do setor para os próximos meses.

Deve haver uma retomada da economia e, consequentemente, dos investimentos em 2017?

As grandes operadoras reduziram investimentos em 2016 e devem manter o mesmo nível, mais baixo, em 2017. É uma postura cautelosa em função do cenário macro, das indefinições no âmbito regulatório e das expectativas de incentivos públicos para investir. No lado das operadoras competitivas, o ritmo de investimentos continua forte, impulsionado pela demanda e por oportunidades de mercado. Apesar da economia fraca, o mercado corporativo, foco prioritário das operadoras competitivas, continua demandando mais e melhores recursos de conectividade e de tecnologias digitais.

Qual tema deve receber mais atenção das empresas do setor no próximo ano?

As operadoras competitivas esperam melhores condições para investimento em novas redes. Isso inclui a aplicação prática da Lei Federal de Antenas, que trata também de direito de passagem em rodovias, mas é ignorada inclusive por órgãos federais; de superação de barreiras impostas por legislações municipais restritivas para implantação de redes; e da efetiva regulamentação de uso de postes e de compartilhamento de dutos. São elementos sem os quais não é possível realizar investimentos no ritmo e na extensão que o mercado demanda.

No âmbito nacional, as discussões sobre a quinta geração das comunicações móveis (5G) e sobre a internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) devem tomar fôlego nos próximos meses?

Embora o 5G e as aplicações mais sofisticadas de internet das coisas ainda exigirão dois ou três anos para se firmar no mercado, a preparação das redes para suportá-las tem de se acelerar agora. A cobertura de serviços móveis exige cada vez mais infraestrutura fixa em fibra óptica, robustas e de alta qualidade. As aplicações de IoT exigem alta performance a mais confiabilidade das redes ópticas. Tudo isso requer esforço e investimentos que tomam tempo. Não há como improvisar.

João Moura, da TelComp / Divulgação
João Moura, da TelComp / Divulgação

O mundo digital tem transformado os modelos de negócio de vários setores. Como está sendo o impacto nas operadoras?

As empresas de telecomunicações já estão sendo fortemente impactadas pela nova realidade do mundo digital. Originalmente, as teles tinham controle total sobre suas próprias redes e os serviços oferecidos. A convergência digital criou uma nova realidade na qual as empresas de internet podem oferecer serviços de comunicação eletrônica através de aplicativos que o cliente acessa diretamente via internet sem a interferência das teles.

Como o senhor avalia este novo cenário do mundo digital para o setor?

A nova dinâmica do mundo digital não é uma alternativa nem uma possibilidade: é um imperativo para o desenvolvimento econômico e social. Isso exige esforço coordenado da sociedade para embarcar nesta revolução e realmente se beneficiar de todo o potencial que as novas tecnologias oferecem. Só assim criaremos novas oportunidades de desenvolvimento econômico, vamos melhorar a qualidade de vida das pessoas e faremos contribuições decisivas para a sustentabilidade do planeta.

As receitas tradicionais das operadoras provenientes de serviços de voz, mensagem e TV por assinatura estão em constante queda. O que as empresas precisam fazer para driblar essas dificuldades?

A única alternativa às teles é ganhar produtividade e modernizar muito as suas redes para oferecer mais e melhores serviços de conectividade, e assim continuarem rentáveis, além de criar suas próprias ofertas de serviços digitais em áreas em que detenham competência. Essa nova realidade impõe mudanças substanciais também na regulamentação setorial e no modelo tributário, que hoje estão absolutamente obsoletos e incompatíveis com a realidade do mundo digital.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Bellus 3D criou um scanner que se conecta ao celular e capta imagens 3D do rosto / Renato Cruz/inova.jor

Workshop sobre inovação na mídia

O mercado de comunicação tem mudado rapidamente. Avanços tecnológicos tornam possíveis novos modelos de comunicação, ao mesmo tempo em que colocam em risco negócios estabelecidos. Conduzido por Renato Cruz, editor do inova.jor, o workshop vai apresentar conceitos de inovação e discutir as ameaças e as oportunidades trazidas por tecnologias emergentes como interfaces de voz, internet das[…]

Leia mais »

Qual é o impacto do Marco Civil da Internet nos serviços de conexão e aplicativos

O Marco Civil da Internet define direitos e deveres de cidadãos e empresas na internet. Essa lei tem impacto em áreas como telecomunicações,  comércio eletrônico, negócios digitais, mobilidade, entretenimento, educação digital, startups de tecnologia e aplicativos. Pela sua atualidade e abrangência, é considerado referência internacional. Porém, por ser recente, ainda[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami