inova.jor

inova.jor

Robôs que batem papo substituem aplicativos e sites

Os bots foram destaque durante o evento Fbstart, do Facebook, que reuniu 450 startups / Futurecom
Os bots foram destaque durante o evento Fbstart, do Facebook, que reuniu 450 startups / Futurecom

Existe forma mais natural de comunicação que a boa e velha conversa? Empresas, marcas e artistas começaram a substituir aplicativos e sites por robôs que batem papo como o canal preferencial de comunicação com seu público.

Somente no Messenger, do Facebook, existem mundialmente mais de 30 mil bots (como são chamados os robôs) em funcionamento.

“Aqui no Brasil, estimamos que existam mais de mil bots em construção”, afirmou Dario Dal Piaz, líder de Parcerias de Produto do Facebook para o Brasil, em entrevista recente à Rádio Estadão. “Há um frenesi no nosso mercado por bots.”

Na definição de Dal Piaz, o bot é uma ferramenta automatizada que assume a personalidade de uma marca e interage com os consumidores de forma individual.

Durante o Fbstart, realizado no último dia do Futurecom, em São Paulo, os bots foram destaque. O evento do Facebook contou com a participação de 450 startups.

Inteligência artificial

Os aplicativos de mensagem, como o Messenger e o WhatsApp (ambos do Facebook), estão entre os mais utilizados no mundo.

A vantagem do bot é que o usuário não precisa conhecer um novo aplicativo para interagir com uma marca. Segundo a Forrester Research, 84% das pessoas utilizam apenas cinco aplicativos por mês.

Com tecnologia de inteligência artificial, os bots procuram emular uma conversa entre humanos. Já é possível usar esse tipo de canal para pedir uma pizza, consultar o saldo no banco ou receber sugestões de músicas para ouvir.

No Brasil, o site Mecasei criou uma assistente virtual chamada Meeka, que, além de ter aplicativos próprios, funciona no Messenger.

A startup usou tecnologia de inteligência artificial do Watson, da IBM. A Meeka ajuda a organizar a agenda, escolher fornecedores e controlar as finanças da cerimônia de casamento.

Outro exemplo de empresa que aposta nos bots é o Superplayer, responsável pelo Zak, bot que sugere músicasde acordo com o gosto musical de cada um. Entre os acionistas da Superplayer está a Movile.

Na sexta-feira, o cantor Luan Santana fez o lançamento exclusivo da canção “Primeira Semana” por seu bot do Messenger, em parceria com a Superplayer.

O single estará disponível em outras plataformas somente a partir da próxima sexta.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mark Zuckerberg entrou no evento e ninguém percebeu / Facebook/Reprodução

Por que é muito difícil mudar o Facebook

O saudoso Marshall McLuhan falava que a privacidade acabou quando inventaram a luz elétrica. De Thomas Edison para cá, no entanto, a situação piorou. O Facebook tem vivido o seu pior momento, desde que explodiu o escândalo Cambridge Analytica. Um pesquisador de Cambridge coletou informações de 50 milhões de norte-americanos[…]

Leia mais »
O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor

Como deve evoluir a digitalização da indústria brasileira

Poucas indústrias brasileiras adotam tecnologias digitais avançadas. Segundo pesquisa do Projeto Indústria 2027, somente 1,6% das empresas encontra-se hoje na chamada Indústria 4.0. Em dez anos, esse percentual deve subir para 21,8%. A Indústria 4.0 promove a integração da automação da fábrica aos demais sistemas digitais da empresa, com adoção[…]

Leia mais »

3 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami