inova.jor

inova.jor

Uberlândia ganha protótipo de cidade inteligente

Algar Telecom quer sensibilizar gestores públicos com protótipo de cidade inteligente / Divulgação
Algar Telecom quer sensibilizar gestores públicos com protótipo de cidade inteligente / Divulgação

A cidade de Uberlândia (MG) vai sediar um protótipo de cidade inteligente. O projeto prevê soluções digitais para as áreas de transporte, comunicação, limpeza pública e urbanização.

A Cidade Conectada é fruto de parceria entre a Algar Telecom, PromonLogicalis, Nokia, Universidade Federal de Uberlândia e Instituto Cesar.

O bairro Granja Marileusa, que serve de modelo urbanístico para a cidade, foi escolhido para receber o projeto. No local, funcionava uma antiga fazenda do Grupo Algar.

“A ideia do nosso protótipo é montar vários ecossistemas e oferecer novos serviços que contribuam com a população. Queremos fazer mais pela cidade, com menos recursos e dispositivos mais modernos”, afirma Jean Borges, presidente da Algar Telecom.

Expansão

Segundo o executivo, ainda não há expectativas de o projeto ser replicado em outras áreas da cidade. Isso porque não existem contratos firmados com a prefeitura.

As conversas com gestores públicos, no entanto, têm ganhado força, diz Borges. Entre os motivos está a necessidade de os governantes oferecerem serviços em áreas como educação, saúde e segurança com mais qualidade e a menor custo.

“Queremos usar esse protótipo para chamar a atenção de agentes públicos. É importante existir essa entrada do poder público para conseguirmos mais parceiros no mercado”, diz.

Serviços

A Granja Marileusa receberá uma série de serviços nessa primeira fase.

Fruto da parceria com a Federal de Uberlândia, o sistema Easybus é um exemplo. A solução pretende identificar a lotação e o fluxo de passageiros dentro dos ônibus.

Enviados a uma central em tempo real, os relatórios ajudarão na administração e logística da frota para melhorar a experiência dos usuários.

A limpeza pública da região também passará por transformação. O projeto E-pontos, feito com a Global Bridge, colocará sensores em lixeiras de coleta de resíduos tecnológicos.

As lixeiras enviarão relatórios informando o volume de lixo descartado e a capacidade restante. A pessoa que descartou o lixo no local indicado receberá pontos, que poderão ser convertidos em prêmios.

Desenvolvidos com a PromonLogicalis, os bueiros inteligentes usam tecnologia de comunicação máquina a máquina e ultrassônica para monitoração.

O projeto prevê colocar a solução em módulos que se encaixam nos bueiros antigos. Assim, o volume de resíduos poderá ser monitorado e cruzado com outras informações exteriores como previsão do tempo e um sensor de ambiente.

A intenção é diminuir áreas de alagamentos, principalmente em períodos de chuva.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Centro de São Paulo vai trabalhar em colaboração com outros 10 centros distribuídos pelo mundo / Divulgação

Capgemini cria centro de excelência para digital e nuvem

A Capgemini, consultoria francesa de tecnologia, abriu um centro de excelência para digital e nuvem em São Paulo. Com cerca de 120 profissionais, a equipe brasileira vai trabalhar em colaboração com outros 10 centros de inovação que a companhia mantém pelo mundo. O centro conta com uma infraestrutura para realizar provas[…]

Leia mais »
A multinacional brasileira, fundada por Marco Stefanini, promove seu primeiro hackathon no Rio / Renato Cruz/inova.jor

Stefanini promove hackathon sobre telecomunicações no Rio

A Stefanini vai promover, em 19 de janeiro, seu primeiro hackathon no Rio de Janeiro. As inscrições terminam em 15 de janeiro. Com até cinco integrantes, as equipes terão como objetivo encontrar uma solução criativa e economicamente viável para melhorar a experiência do usuário de telecomunicações. A equipe vencedora receberá[…]

Leia mais »

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami