inova.jor

inova.jor

Sensores monitoram mudança climática na Amazônia

O lago do Januacá é uma das regiões escolhidas para estudar os impactos ambientais na Amazônia / Rodrigo Borges
O lago do Januacá é uma das regiões escolhidas para estudar os impactos ambientais na Amazônia / Rodrigo Borges

Um grupo de 150 cientistas de diversos países vai aplicar sensores e análise de dados para estudar o funcionamento da Amazônia em condições naturais e como ele será afetado pelas mudanças no uso de solo e clima.

A agenda foi definida em encontro do Programa de Grande Escala Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA), em Manaus.

O LBA é considerado o maior projeto de cooperação científica internacional em estudos de interações entre a floresta amazônica e as condições atmosféricas e climáticas.

Durante os próximos anos, os cientistas vão focar suas pesquisas no ciclo de carbono e de metano na Região Amazônica. Para isso, usarão sofisticados aparelhos tecnológicos de monitoramento climático.

Supercomputação

Leonardo Oliveira, responsável pelo Laboratório de Instrumentação Eletrônica do LBA, disse ao inova.jor que o programa usa “o que existe de ponta no mundo hoje para pesquisa de clima, atmosfera, interação atmosfera-biosfera, concentração de gases e supercomputação para cálculo de modelos”.

Os programas são instalados em torres de monitoramento espalhados na Amazônia. Entre eles está o Infrared Gas Analyser (Irga), uma técnica usada nos sensores das torres para medir os gases de efeito estufa como dióxido de carbono e metano.

Outra ferramenta são os anemômetros sônicos, que revelam, durante a medição de ventos por pulsos sônicos, os fluxos de carbono naquela região.

Satélites, rádios e dataloggers são usados para armazenamento e transferência de dados. Além de uma estrutura complexa de tecnologia da informação para conexão de equipamentos.

Efeito estufa

Com o auxílio desses e outras tecnologias os cientistas querem comprovar se áreas alagáveis da Amazônia têm se tornado fontes de gases de efeito estufa, especialmente de gás carbônico e metano.

As pesquisas também avaliarão os distúrbios causados por eventos climáticos, como extremas cheias e secas severas. Os impactos de usinas hidrelétricas nos igapós da região na estrutura e composição das florestas alagáveis também serão tema de estudo.

A agenda de atividades terá como base 20 projetos de pesquisa. Os estudos serão financiados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fapeam e Fapesp.

As pesquisas devem gerar uma base de dados que nortearão as políticas públicas de preservação e de inovação do governo voltada para as questões ambientais.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Internet: Interfaces de voz, como o Echo, da Amazon, é uma das principais tendências / Rob Albright/Creative Commons

Quando as máquinas aprendem a conversar de verdade

Máquinas que entendem comandos de voz já viraram lugar comum, mas os sistemas de inteligência artificial ainda não são capazes de participar de uma conversa de verdade, como o C-3PO, de Star Wars (ou o HAL 9000, de 2001, para dar um exemplo não tão benigno). A Amazon quer mudar isso, e[…]

Leia mais »
A aceleradora Plug and Play, no Vale do Silício, é a sede da segunda etapa do programa / Luca Mascaro/Creative Commons

Aceleradora da Porto Seguro seleciona sete startups

Sete startups foram selecionadas para o 3º Ciclo de Aceleração da Oxigênio, aceleradora da Porto Seguro. O programa começou nesta semana e teve 1 mil startups inscritas. Durante a primeira fase da aceleração, as empresas participarão de mentorias, palestras e workshops com especialistas e executivos de diferentes setores. Depois disso, as[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami