inova.jor

inova.jor

Sensores monitoram mudança climática na Amazônia

O lago do Januacá é uma das regiões escolhidas para estudar os impactos ambientais na Amazônia / Rodrigo Borges
O lago do Januacá é uma das regiões escolhidas para estudar os impactos ambientais na Amazônia / Rodrigo Borges

Um grupo de 150 cientistas de diversos países vai aplicar sensores e análise de dados para estudar o funcionamento da Amazônia em condições naturais e como ele será afetado pelas mudanças no uso de solo e clima.

A agenda foi definida em encontro do Programa de Grande Escala Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA), em Manaus.

O LBA é considerado o maior projeto de cooperação científica internacional em estudos de interações entre a floresta amazônica e as condições atmosféricas e climáticas.

Durante os próximos anos, os cientistas vão focar suas pesquisas no ciclo de carbono e de metano na Região Amazônica. Para isso, usarão sofisticados aparelhos tecnológicos de monitoramento climático.

Supercomputação

Leonardo Oliveira, responsável pelo Laboratório de Instrumentação Eletrônica do LBA, disse ao inova.jor que o programa usa “o que existe de ponta no mundo hoje para pesquisa de clima, atmosfera, interação atmosfera-biosfera, concentração de gases e supercomputação para cálculo de modelos”.

Os programas são instalados em torres de monitoramento espalhados na Amazônia. Entre eles está o Infrared Gas Analyser (Irga), uma técnica usada nos sensores das torres para medir os gases de efeito estufa como dióxido de carbono e metano.

Outra ferramenta são os anemômetros sônicos, que revelam, durante a medição de ventos por pulsos sônicos, os fluxos de carbono naquela região.

Satélites, rádios e dataloggers são usados para armazenamento e transferência de dados. Além de uma estrutura complexa de tecnologia da informação para conexão de equipamentos.

Efeito estufa

Com o auxílio desses e outras tecnologias os cientistas querem comprovar se áreas alagáveis da Amazônia têm se tornado fontes de gases de efeito estufa, especialmente de gás carbônico e metano.

As pesquisas também avaliarão os distúrbios causados por eventos climáticos, como extremas cheias e secas severas. Os impactos de usinas hidrelétricas nos igapós da região na estrutura e composição das florestas alagáveis também serão tema de estudo.

A agenda de atividades terá como base 20 projetos de pesquisa. Os estudos serão financiados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fapeam e Fapesp.

As pesquisas devem gerar uma base de dados que nortearão as políticas públicas de preservação e de inovação do governo voltada para as questões ambientais.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Maximiliano Martinhão (MCTIC), Frederico Neves (NIC.br) e o ministro Gilberto Kassab / Renato Cruz/inova.jor

De onde vem o conteúdo que você acessa pela internet

Nos primeiros anos de operação da internet comercial no Brasil, a porta de entrada dos provedores de acesso para a rede costumava ser uma conexão aos Estados Unidos. Com isso, se você mandasse um email para alguém do seu bairro que estivesse ligado a outro provedor, havia uma grande chance de a mensagem[…]

Leia mais »
Os usuários já não esperam nem 6 segundos para que um aplicativo rode seu conteúdo / Susanne Nilsson/Creative Commons

Por que a agilidade se tornou um conceito fundamental

A economia compartilhada não é um conceito distante ou atado ao futuro. É uma realidade já em curso. Para as companhias, isso se traduz em grandes inovações e em uma forma de gerenciamento cada vez mais ágil. Todo empresário precisa ter um olho no que estão fazendo as startups e outro[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami