inova.jor

inova.jor

O que falta para aumentar a pesquisa na indústria farmacêutica

Farmacêutica: A empresa brasileira Blanver aposta em inovação para melhorar produtos já existentes / Divulgação
A empresa brasileira Blanver aposta em inovação para melhorar produtos já existentes / Divulgação

A saúde é um setor intensivo em pesquisa e desenvolvimento (P&D). Os investimentos da indústria farmacêutica, no entanto, devem crescer pouco nos próximos anos.

O relatório 2016 Global Life Sciences Outlook, da Deloitte, analisou as perspectivas globais do setor farmacêutico.

Segundo o estudo, os gastos de P&D devem subir somente 2,4% entre 2013 e 2020, chegando a US$ 162 bilhões, abaixo do crescimento projetado para as vendas.

No Brasil, a crise econômica e a variação cambial tornam esse cenário ainda mais difícil.

O País é considerado terreno fértil para essas pesquisas. A característica multirracial da população e o vasto potencial biológico do ambiente são fatores considerados determinantes para a produção de novos medicamentos.

Inovação incremental

A dificuldade atinge até mesmo empresas consolidadas no mercado internacional, como a Blanver.

Criada na década de 1980, é uma das três principais produtoras do mundo de excipientes, substâncias usadas na produção de medicamentos e alimentos.

A empresa farmacêutica tem participação de 13% no mercado mundial, exportando 70% do que produz. Apesar de ser uma companhia consolidada, tem dificuldades em apostar e investir em novos produtos.

“Investimos 10% do nosso faturamento em P&D, mas a maioria das nossas inovações é para melhorar nossa produção e medicamentos já existentes”, afirma o presidente da Blanver, Sérgio Frangioni.

A direção de investimentos para esse tipo de pesquisa é resposta a uma necessidade do próprio governo, um dos principais clientes dos produtos farmacêuticos da Blanver no Brasil.

Segundo Frangioni, parte das pesquisas é focada na diminuição de custos dos medicamentos para que a empresa seja uma fornecedora competitiva dentro do próprio País.

“O próprio governo sabe que não dá para comparar os nossos produtos e nossa tecnologia com produtos importados, não temos as mesmas condições. Não dá para ser competitivo com o câmbio que temos hoje”, diz.

Novas moléculas

A expectativa não está em grandes investimentos em inovação radical, para descobrir novas moléculas, em 2017.

“Hoje uma empresa como a nossa não tem condições de investir em diversas frentes. Por isso, apostamos apenas em um ou dois produtos de inovação radical. O nosso maior investimento deve se manter em inovação incremental, focado na nossa linha de produto”, completa o presidente da Blanver.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Stefanini afirma que outros países não fazem diferença entre atividade meio e atividade fim na terceirização / Renato Cruz/inova.jor

Stefanini: ‘Terceirização traz investimento e crescimento’

A Stefanini é uma empresa brasileira de tecnologia da informação que atua em 39 países. No Brasil, emprega 12 mil funcionários. O inova.jor conversou com Marco Stefanini, presidente global e fundador do grupo que leva seu nome, sobre a projeto de lei de terceirização aprovado ontem (22/3) pela Câmara. O[…]

Leia mais »
Vencedor do desafio da Roche deve ser anunciado em novembro / Marcello Bravo/Divulgação

Roche e 100 Open Startups lançam desafio sobre oncologia

A farmacêutica Roche e o Movimento 100 Open Startups lançaram o desafio Transformando a Jornada Oncológica, para startups e grupos de pesquisa e desenvolvimento com projetos na área da saúde. As inscrições podem ser feitas até 31 de julho. O vencedor será anunciado em novembro, e receberá da Roche: serviços[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami