inova.jor

inova.jor

Avanço das comunicações móveis exige evolução da indústria

A comunicação sem fio exige requisitos específicos da indústria do futuro / Divulgação
A comunicação sem fio exige requisitos específicos da indústria do futuro / Divulgação

Muitos provavelmente se lembram de quando receberam sua primeira mensagem de texto ou baixaram sua primeira página num celular.

Hoje, um celular pode baixar vídeos de alta resolução em segundos e oferecer uma taxa de transferência de dados mais alta do que seu primeiro laptop.

No entanto, o objetivo da comunicação sem fio do futuro é muito maior do que proporcionar velocidades mais rápidas para fazer downloads.

Dentro de uma década, a quantidade de dispositivos conectados irá ultrapassar o número de pessoas ligadas em uma rede em uma relação de dez para um.

Em decorrência disso, os padrões de comunicação sem fio evoluem para conectar coisas, que se tornam capazes de realizar atividades mais inteligentes, e de forma autônoma.

E essas novas tecnologias exigem cada vez mais a redução de custos de produção e aumento de competitividade de mercado.

Indústria do futuro

A comunicação sem fio será aplicada a diversas áreas e exige requisitos específicos da indústria do futuro.

De acordo com a União Internacional de Telecomunicações (UIT), dentre a exigências está a melhoria na banda larga móvel, garantindo a velocidade e qualidade da rede para comportar os picos de dados esperados.

Por exemplo, para a comunicação massiva entre máquinas com uma área de alcance mais extensa que conectará automóveis e rodovias, a comunicação massiva de alta confiabilidade deve garantir precisão em aplicações de alto risco, como o uso de robôs em cirurgias ou controle de tráfico urbano.

As redes e os padrões de radiofrequência têm demandado níveis maiores de complexidade técnica da indústria.

Por exemplo, desde 2003, o wi-fi evoluiu de 20 MHz para 40 MHz e 160 MHz no padrão atual, os canais de comunicação móvel evoluíram de 200 kHz para 100 MHz e, no futuro, tecnologias como o LTE-Advanced Pro e o 5G impulsionarão ainda mais essa tendência.

Com maior conectividade e quantidade de antenas gerando dados, os produtos exigem dispositivos de desenvolvimento e teste mais flexíveis e competentes, que comportem frequências e larguras maiores e programáveis de acordo com as necessidades específicas de cada linha de produção, operando de maneira eficiente no teste e averiguação de sua qualidade antes de serem entregues ao mercado consumidor.

Estratégias otimizadas

As fronteiras tecnológicas foram expandidas, mas muitos desafios surgiram. A indústria deve constantemente se tornar mais sofisticada atendendo aos requisitos de sincronização multicanal da informação e dos sinais gerados pelos diversos componentes.

Para tanto, engenheiros devem ter estratégias cada vez mais otimizadas, optando por uma nova abordagem de plataforma que utiliza hardwares modulares com softwares customizáveis para desenvolver sistemas de teste mais inteligentes e dinâmicos, e que permitam realizar projetos mais avançados com maior eficiência.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Angola Cables é considerada uma empresa-âncora do Parque Tecnológico de Fortaleza / Divulgação

Por que a Angola Cables quer conectar o Brasil à África

Os Estados Unidos ainda concentram boa parte do tráfego mundial de internet. Provedores de outros países contratam conexões até lá e as comunicações internacionais passam pela infraestrutura norte-americana. Os projetos da Angola Cables fazem parte de um esforço de descentralização. O West Africa Cable System (Wacs), sistema de cabos submarinos[…]

Leia mais »
Para oferecer 4G em Fernando de Noronha, a TIM combinou três frequências e usou satélite de órbita média / Eduardo Muruci/Creative Commons

Como levar 4G para Fernando de Noronha

A TIM anunciou ontem (8/12) a cobertura de Fernando de Noronha (PE) com comunicações móveis de quarta geração (4G). Trata-se da milésima cidade a receber a tecnologia da operadora. “Neste ano, instalamos 4G em média em duas cidades por dia”, afirma Leonardo Capdeville, diretor de Tecnologia da TIM Brasil. “Até[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami