inova.jor

inova.jor

Atenção à governança corporativa deve começar cedo

Boas práticas de governança corporativa facilitam o acesso de startups a investimento / Renato Cruz/inova.jor
Boas práticas de governança corporativa facilitam o acesso de startups a investimento / Renato Cruz/inova.jor

O ambiente tecnológico e suas necessidades constantes de inovação trazem em seu âmago alta ansiedade para cumprir prazos apertados, desde a concepção da ideia até sua materialização e transformação em produto/serviço comercial.

Adicionado a isso, há uma frustração sempre presente: conviver com o fantasma da constante obsolescência.

Muitas vezes, nesse ambiente, vários processos atrelados à governança são omitidos ou “contornados”, gerando processos paralelos.

Sem a necessária disciplina corporativa, os sucessos nem sempre são repetidos em novos desafios.

Clientes e acionistas

Para o acionista e/ou investidor, sucesso é uma combinação de alta satisfação dos clientes (sucesso sustentável) e resultados financeiros e econômicos acima das metas estabelecidas.

Para que os clientes existam e se mantenham satisfeitos em todas as fases de suas experiências de compra (pré e pós venda, qualidade assegurada, assistência técnica, atendimento) é fundamental que os associados – todos – estejam alinhados com o objetivo final de bem servi-los.

Para tanto, é condição necessária que todos vivam relações transparentes, disciplinadas e amigáveis. Esse exercício deve ser estimulado a partir das relações entre os clientes internos.

Alguns ingredientes são básicos para um time vencedor:

  • formação escolar, acadêmica e funcional sólidas;
  • ambiente corporativo que estimule desafios e correr riscos;
  • alta motivação; e
  • ajuda coletiva (top down e bottom up) nos casos de insucesso.

A introdução profissional e supervisionada de boas práticas de governança visa assegurar regras transparentes, incluindo, além daquelas afetas a contabilidade, finanças e controladoria, as relativas à gestão de talentos (identificação, desenvolvimento e retenção), avaliação de desempenho de todos sem exceção, plano transparente de remuneração e participação nos resultados – sempre atrelados a meritocracia, plano de desenvolvimento e treinamento, plano sucessório, entre outros, culminando na criação de um conselho de administração com pelo menos um conselheiro independente.

A introdução dessas práticas demanda decisão e comprometimento dos controladores da empresa. É um investimento de tempo (médio prazo) e de recursos para a adequação de processos em quase todas as áreas da empresa.

No longo prazo, porém, sempre apresenta retorno qualitativo e quantitativo muito acima do investido.

Wilson Otero, da Light Dreams / Divulgação
Wilson Otero, da Light Dreams / Divulgação

Busca de recursos

Com as atuais restrições econômicas (ambiente interno e externo), os recursos financeiros disponíveis estão exíguos (excluindo é claro aqueles oferecidos por bancos comerciais e que são proibitivos).

Empresas que buscam tais recursos, através de bancos de fomento (nacionais e estrangeiros), investidores profissionais e private equities, terão seus valores de mercado avaliados por diversos fatores (base/carteira de clientes, posição de mercado entre seus competidores, potencial de crescimento, situação econômica/financeira presente), sobretudo, pela existência de processos bem estabelecidos, auditáveis, que garantam o fluxo normal das melhores práticas de gestão/governança.

Para as empresas que são jovens e que enfrentam o desafio do crescimento, a hora é essa. Não adiem o estabelecimento da introdução das boas práticas de governança. Por que passar, num futuro próximo, por um complexo processo de adequação podendo fazer o dever de casa imediatamente?

Assim sendo, essas empresas crescerão com fundamentos sólidos. Estarão preparadas para serem abordadas por capital limpo e mais barato, não deixando dinheiro e oportunidades nas mesas de negociação.

  • Wilson Otero é sócio fundador da Light Dreams Assessoria Empresarial

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Baixos custos e pouco tempo de curso atraem estudantes para startups de e-learning / Chris Devers / Creative Commons

Startups de educação à distância crescem na crise

O mercado de educação à distância está em ascensão. Com custos mais baixos e aulas interativas, o modelo tem atraído pessoas que querem se especializar, mas que contam com pouco tempo e dinheiro. As startups voltadas para educação são vistas como promissoras. Surgida em 2011, a Descola quer preencher lacunas pouco exploradas pelas[…]

Leia mais »
Legislação brasileira não protege métodos de negócios nem funcionalidades de software / George Buchholz/Creative Commons

Como a propriedade intelectual protege as fintechs

Vivemos uma ascensão das empresas que utilizam ferramentas tecnológicas para prestação de serviços financeiros, as fintechs. Em outras palavras, empresas de soluções inovadoras que buscam facilitar a realização de transações financeiras como empréstimos e pagamentos, bem como auxiliar os clientes na administração de suas finanças. Segundo dados da consultoria Accenture,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami