inova.jor

inova.jor

Internet das coisas deve incentivar investimentos em 2017

A indústria é o setor que mais deve investir em internet das coisas no Brasil / Chan 360/Creative Commons
A indústria é o setor que mais deve investir em internet das coisas no Brasil / Chan 360/Creative Commons

As empresas vão voltar a investir em projetos de inovação e transformação digital em 2017. A expectativa faz parte das previsões para o mercado de telecomunicações e tecnologia da informação da consultoria IDC Brasil.

Segundo o relatório, a retomada de investimentos é reflexo da necessidade das empresas brasileiras em se manter competitivas no mercado.

“Não é mais possível postergar os investimentos em inovação. Quem deixar de investir agora deve se prejudicar no futuro, e o mercado já percebeu isso”, explica Luciano Ramos, gerente de pesquisas e consultoria de software e serviços da IDC Brasil.

A perspectiva de que os cenários políticos e econômicos sejam mais previsíveis é o principal fator para o retorno dos investimentos.

Com isso, o mercado de tecnologias da informação e comunicação (TIC) deverá crescer 2,5% neste ano, estimulado principalmente pelo segmento de TI, que deve avançar 5,7%.

Telecomunicações deve se manter praticamente estável, com crescimento de 0,4%.

Internet das coisas

Boa parte dos investimentos das empresas brasileiras para 2017 será destinada a internet das coisas (IoT, na sigla em inglês).

A preferência pela tecnologia cresce a partir do segundo semestre, quando o governo já terá definido o Plano Nacional de IoT no Brasil. Atualmente, o projeto está em consulta pública.

A indústria será o setor que mais investirá na tecnologia. Os atuais parques analógicos devem ser adaptados com sensores, que ajudarão principalmente em tomadas rápidas de decisão.

“Com o IoT implementado, as indústrias aumentarão a eficiência, atenderão melhor o cliente e reduzirão custos. Isso tudo vai agregar competitividade aos parques mais antigos”, afirma Pietro Delai, gerente de pesquisa e consultoria de infraestrutura e telecomunicações da IDC Brasil

O ecossistema de internet das coisas deve movimentar ainda mais de US$ 13 bilhões no Brasil até 2020.

Dados

A propagação de IoT no País aumentará os investimentos em computação em nuvem. A plataforma será a escolhida para processamento dos dados.

A expectativa é que até 2019, 43% dos dados de IoT sejam tratados na nuvem.

“Não existe mais o receio de investir em cloud aqui no Brasil. O movimento atual é de dúvida sobre quais ferramentas contratar”, diz Delai. A previsão é de crescimento de 20% na adoção de nuvem pública.

Com o problema de armazenamento de dados solucionado pela adoção de cloud, as empresas devem investir pesado em software de análise de dados.

Até o fim do ano, esse mercado movimentará US$ 848 milhões no Brasil, um crescimento de 4,8% em relação ao ano passado.

Os dispositivos serão utilizados para trazer mais inteligência aos negócios, por meio de informações não estruturadas, principalmente das adquiridas em redes sociais e em interações diretas com os clientes.

Celulares

O mercado de celular também retoma o crescimento até o fim do ano. A previsão é de alta de 3,5% em vendas.

Segundo Reinaldo Sakis, gerente de pesquisas e consultoria de Consumer Devices da IDC Brasil, a retomada das vendas se dá por características nacionais.

“O brasileiro costuma trocar de aparelho de celular a cada dois anos. Pelo menos 37% dos dispositivos hoje foram comprados antes de 2015”, diz Sakis.

Mudança de hábitos de uso do aparelho também impulsionam para troca de dispositivos mais modernos, diz o relatório.

A procura será por celulares com melhor resolução de câmera e mais compatíveis com aplicativos de conversas instantâneas, instituições bancárias e transporte.

Realidade Virtual

Tecnologia de realidade virtual e realidade aumentada começam a ter destaque no Brasil este ano.

Aplicações em mercados de arquitetura, serviços, varejo e indústria já começam a ser testadas por grandes e médias empresas no País.

A expectativa é que até o fim do ano dobre a quantidade de dispositivos de realidade virtual e aumentada, fechando 2017 com mais de 100 mil unidades vendidas.

Blockchain

O blockchain deve ser a tecnologia que trará maior ruptura nos próximos anos, mas ainda não deve decolar em 2017.

A estimativa é de que a tecnologia emplaque globalmente até 2019 e demore mais dois anos para começar a ser implementada no Brasil.

“Acreditamos que o blockchain será tão disruptivo para o mundo quanto foi a internet. A tecnologia irá criar novos modelos de negócio, extinguir alguns modelos tradicionais e reformular totalmente outros setores”, adianta Delai.

No Brasil, a expectativa é que o mercado de seguros seja o primeiro impactado com o blockchain. Seguido de cartórios e, por fim, instituições financeiras.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A estratégia de internet das coisas da Samsung passa por todas linhas de produtos / Renato Cruz/inova.jor

CES 2017: Samsung quer que você converse com a geladeira

LAS VEGAS A Samsung anunciou hoje (4/1) a segunda geração de sua linha de geladeiras conectadas, chamada de Family Hub 2.0. Uma das principais novidades foi a incorporação de comandos de voz. É possível, por exemplo, pedir para a geladeira (que tem uma tela sensível ao toque integrada) tocar músicas[…]

Leia mais »
Principal fonte dos ataques foi o próprio Brasil, segundo relatório / Renato Cruz/inova.jor

Brasil registra 30 ataques de negação de serviço por hora

No ano passado, foram registrados 264,9 mil ataques de negação de serviço (DDoS, na sigla em inglês) dirigidos ao Brasil. A informação consta do 13º Relatório Anual sobre Segurança da Infraestrutura Global de Redes (WISR, na sigla em inglês), da Netscout Arbor. Nesse tipo de ataque, o criminoso domina um número[…]

Leia mais »

3 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami