inova.jor

inova.jor

Brasileiro está mais disposto a comprar pelo celular

As lojas digitais tiveram crescimento de 111% no total de sessões no celular em 2016 / Pillar Pedreira/Agência Senado
As lojas digitais tiveram crescimento de 111% no total de sessões no celular em 2016 / Pillar Pedreira/Agência Senado

O brasileiro aumentou em 111% o uso de aplicativos de compras em 2016, em comparação com o ano anterior. O uso de aplicações de mensagens instantâneas e redes sociais também cresceu no País.

A Flurry Analytics, empresa de análise de uso de aplicativos, divulgou ontem (2/2) um relatório sobre o comportamento do usuário de celulares no Brasil.

O documento leva em consideração a quantidade de vezes que o usuário abre um aplicativo, também chamado de sessão. Em todo o mundo, a Flurry registra uma média de 10 bilhões de sessões por dia.

Conforme o relatório, no Brasil, a quantidade de vezes que os usuários abriram aplicativos de mensagens e redes sociais cresceu 70% em relação ao ano passado.

O aumento é justificado, principalmente, pela possibilidade de realizar chamadas de voz e vídeo por essas aplicações.

A intensificação de uso das redes sociais também reflete na quantidade de sessões registradas em aplicativos de notícias e entretenimento e altera a maneira do usuário consumir mídia.

“Com o crescimento de apenas 11% nas sessões de notícias e revistas, e de 13% nas sessões de música, mídia e entretenimento, é possível afirmar que as redes sociais absorveram o mercado de mídia”, explica o documento elaborado por Chris Klotzbach, diretor da Flurry Analytics.

No varejo digital, os aplicativos tiveram reação diferente da dos estabelecimentos físicos e registaram crescimento de 111% no total de sessões, segundo a Flurry.

O número é comemorado como um passo importante para a venda online e apontado como forte indicador de que os usuários não temem mais realizar compras pelo celular.

“Esse crescimento se beneficiou de forma significativa dos dispositivos móveis e seus aplicativos, os quais, ao contrário dos computadores, conseguiu capturar o comprador impulsivo”, explica Klotzbach na pesquisa.

Uso noturno

A pesquisa constatou ainda que, ao contrário dos Estados Unidos, o brasileiro não tem um horário de pico para usar o celular.

A frequência de uso, no entanto, aumenta durante o dia para se tornar mais intensa à noite.

“Não há um horário nobre para os dispositivos móveis, o que oferece aos desenvolvedores e anunciantes uma janela de oportunidade maior para engajar esses usuários”, explica o executivo no relatório.

Os celulares com sistema operacional Android e de telas maiores, como os modelos Plus, são os preferidos do consumidor nacional.

A Samsung é a empresa que tem o maior market share do Brasil (45%) enquanto a Apple perdeu 7% do mercado entre 2016 e o ano anterior.

Os celulares de tela maior – phablets – representam 56% do mercado no País. A preferência pelo modelo, segundo o estudo, está relacionada ao crescimento da categoria de aplicativos de consumo de mídia e de engajamento social.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Aplicativo do BNDES tem como objetivo facilitar o acesso a empréstimos por MPMEs / Danny Navarro/Creative Commons

BNDES lança aplicativo para facilitar crédito à pequena empresa

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lança durante a Feira do Empreendedor 2017, realizada de 18 a 21 deste mês em São Paulo, um aplicativo voltado para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs). Denominado MPME, tem por objetivo permitir que o acompanhamento de solicitações e operações de crédito. Será possível saber se[…]

Leia mais »
O setor de tecnologia da informação só perde para o financeiro na ocupação de escritórios em São Paulo / Renato Cruz/inova.jor

Setor de tecnologia é o segundo na ocupação de escritórios

As empresas de tecnologia da informação estão em segundo lugar na ocupação de escritórios em São Paulo, segundo pesquisa da SiiLA Brasil. No fim do segundo trimestre, eram 309,8 mil metros quadrados ocupados, o que corresponde a 7% dos espaços monitorados pela plataforma de dados do mercado de imóveis comerciais[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami