inova.jor

inova.jor

Como as mudanças no comportamento do consumidor afetam as marcas

Empresas buscam incorporar as novas dinâmicas de comportamento do consumidor / CAFNR/ Creative Commons

Com a expectativa do consumidor cada vez mais elevada, as empresas buscam incorporar novas dinâmicas de comportamento e jornada de compra e avaliar os impactos nos negócios.

O estudo Future Focus, da agência iProspect, que pertence ao grupo Dentsu Aegis Network, apresenta as principais tendências do marketing digital para este ano:

Coleta de dados estratégicos

As marcas vão mudar da simples coleta de dados para um modelo de dados estratégicos. O principal desafio é monitorar as interconexões entre jornada de compra on-line e off-line.

O Google, por exemplo, fez grandes progressos nessa área monitorando essa conexão nos últimos 18 meses. A empresa afirma ter medido mais de 1 bilhão de visitas a lojas.

Esses dados poderão ser utilizados na ferramenta de publicidade Google Adwords para dar uma estimativa de conversões e proporcionar ideias sobre o comportamento do consumidor.

Internet das coisas

tecnologia de dispositivos conectados é a que mais estimula as empresas (32%). Em termos de investimento de marketing por canais, os focos serão buscas pagas (22%) e redes sociais (18%).

Comércio conversacional

Essa promete ser uma forte tendência do mercado, com empresas desenvolvendo aplicações para prestação de serviços e venda de produtos em aplicativos de conversa como o Messenger, do Facebook.

Em países como a China, já é possível pedir um táxi ou entrega de comida por aplicativo de conversa.

Integração entre conteúdo e mídia

Há uma tendência de integrar ainda mais mídias com links diretos para compras. Por exemplo, o Pinterest desenvolveu uma aplicação que permite comprar a partir de um clique na foto de um produto desejado.

Isso é importante, pois, com faturamento global previsto para 2020 de US$ 4 trilhões, o comércio eletrônico continuará sendo um dos segmentos com crescimento mais rápido na economia digital.

Buscas por voz

Com o crescimento da voz nas plataformas de pesquisa, o mercado deve fazer um uso mais amplo da inteligência artificial para agilizar respostas para os consumidores e promover uma maior integração dos pontos de contato das empresas com seus públicos.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Marcia Ogawa, da Deloitte Brasil, afirma que as empresas brasileiras já estão prontas para a internet das coisas / inova.jor

Internet das coisas deve decolar ainda neste ano

 O mercado brasileiro de internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) deve começar a ganhar escala neste ano. Essa é a opinião de Marcia Ogawa, sócia de Telecomunicações, Mídia e Tecnologia da Deloitte Brasil. “O primeiro motivo é que a fase de awareness, de conscientização do que é[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami