inova.jor

inova.jor

Startups de educação à distância crescem na crise

Baixos custos e tempo menor de curso atraem estudantes para startups de educação à distância / Chris Devers/Creative Commons
Baixo custo e duração menor de curso atraem estudantes para a educação à distância / Chris Devers/Creative Commons

O mercado de educação à distância está em ascensão. Com custos mais baixos e aulas interativas, o modelo tem atraído pessoas que querem se especializar, mas que contam com pouco tempo e dinheiro.

As startups voltadas para educação são vistas como promissoras. Surgida em 2011, a Descola quer preencher lacunas pouco exploradas pelas instituições de ensino tradicionais.

“Começamos criando experiências presenciais de temas como gamification, open data e até sobre produção de cerveja artesanal. Depois dos primeiros encontros, percebemos que o mercado tinha um potencial enorme, e então transformamos essas aulas em experiências online”, conta André Tanesi, presidente e cofundador da startup.

Atualmente, mais de 16 mil alunos participam dos 32 cursos oferecidos pela plataforma, que agora tem foco totalmente em inovação.

Entre os cursos oferecidos estão o de design thinking, visual thinking, storytelling, internet das coisas e realidade virtual.

O valor médio de um curso é de R$ 150. Após adquiri-lo, o estudante baixa o curso numa plataforma digital, que pode ser acessada tanto pelo celular quanto pelo tablet ou computador.

“A plataforma é bem simples. Criamos cursos que ficam à disposição dos alunos para serem vistos de qualquer lugar, em qualquer horário, quantas vezes o aluno quiser”, explica Tanesi.

A empresa já recebeu R$200 mil em investimento.

Opção na crise

Outra startup, a WeeGet, oferece serviços tanto para quem quer aprender quanto para quem quer ensinar.

“Desenvolvemos um sistema aberto que se pluga a todo o ecossistema de educação: escola, especialistas, professores e alunos”, diz Cláudio Laniado, presidente da WeeGet. “No nosso site é possível se cadastrar tanto para criar um curso, quanto para ministrar uma aula ou ainda só para aprender.”

A proposta principal da startup, no entanto, é promover cursos profissionalizantes em um período máximo de uma semana.

A plataforma quer atrair as pessoas que precisam de conteúdo especializado de maneira rápida, seja para conseguir um emprego ou para uma promoção.

A plataforma tem atraído interesse do mercado corporativo. “Estamos fazendo algumas adaptações no produto para que também seja usado para treinamento interno”, diz Laniado.

Parcerias

As startups têm chamado a atenção de instituições educacionais que oferecem cursos à distância.

Ao usar as plataformas criadas pelas startups, economizam com a tecnologia e assim, garantem o maior investimento em conteúdo.

Criada em 2009, o Cers já oferece a plataforma para grandes universidades e empresas. “No DNA do Cers estão o mundo do direito e a educação com qualidade”, explica Renato Saraiva fundador da empresa.

Carro autônomo

O mercado brasileiro de educação à distância também tem atraído startups internacionais.

Criada por professores de Stanford, no Vale do Silício, a Udacity oferece cursos para desenvolvedores, voltados para necessidades específicas do mercado.

Recentemente, a empresa lançou o curso de engenheiro de carro autônomo, em parceria com a Mercedes Benz, McLaren, Otto e Nvidia. A primeira turma já conta com estudantes brasileiros.

A Udacity abriu o código de seu simulador de carro autônomo, tornando-o disponível a qualquer desenvolvedor.

Sebastian Thrun, um dos fundadores da Udacity, liderou o projeto de carro autônomo do Google.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O smartwatch da Apple deixou recentemente de ter aplicativos importantes como Google Maps / informedmag.com/Creative Commons

Para onde vai o mercado de relógios inteligentes

O relógio inteligente (ou smartwatch) já foi apontado o sucessor do smartphone como grande sucesso do mercado de eletrônicos de consumo. Mas a previsão não se concretizou. No ano passado, as vendas mundiais do produto apresentaram, pela primeira vez na história, queda em faturamento (de 2%, segundo a consultoria Strategy[…]

Leia mais »
No Brasil, a maioria das conexões M2M está concentrada em máquinas de cartão / Edilson Rodrigues/Agência Senado

Quando as máquinas conversam entre si

Georgia Jordan Totalizando 11,6 milhões de acessos em abril de 2016, o Brasil é o maior mercado de comunicação máquina a máquina (M2M, na sigla em inglês) da América Latina. No entanto, não é necessariamente o mais avançado comparado a outros países em que o serviço é mais recente. O mercado brasileiro[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami