inova.jor

inova.jor

E-commerce brasileiro tem menor crescimento da história

E-commerce brasileiro cresce 7,4%, menor número já registrado / Juan Alvarado/Creative Commons
E-commerce brasileiro cresce 7,4%, menor avanço já registrado / Juan Alvarado/Creative Commons

Pela primeira vez na história, o comércio eletrônico brasileiro cresceu apenas um dígito. O setor fechou 2016 com faturamento de R$ 44,4 bilhões, avanço de 7,4% sobre o ano anterior.

Os dados foram divulgados ontem (16/2) pela consultoria Ebit, que começou a acompanhar os números do varejo digital em 2001.

Segundo o relatório Webshoppers 35, o número de pedidos permaneceu estável, em 106,3 milhões, enquanto o tíquete médio registrou alta de 8%, passando de R$ 388 para R$ 417.

O número de e-consumidores ativos cresceu 22%, para 47,93 milhões. As vendas via dispositivos móveis (tablets e smartphones) concentraram 21,5% das transações em 2016, ante 12,5% do ano anterior.

A renda familiar média entre os consumidores digitais aumentou 8%. Isso demonstra o enfraquecimento da classe C no e-commerce e maior participação de pessoas de maior poder aquisitivo.

Retomada do crescimento

Para este ano, o e-commerce brasileiro deve voltar registrar crescimento de dois dígitos, com previsão de faturar R$ 49,7 bilhões, o que representa aumento nominal de 12%.

O relatório prevê 40% de avanço nas compras feitas por meio de dispositivos móveis no comércio eletrônico. A expectativa é que 32% das transações sejam feitas em smartphones e tablets.

As cinco categorias mais vendidas, em volume de pedidos

  • Moda e acessórios – 13,6%
  • Eletrodomésticos – 13,1%
  • Livros/assinaturas/apostilas – 12,2%
  • Saúde/cosméticos/perfumaria – 11,2%
  • Telefonia e celulares – 10,3%

As 5 categorias mais vendidas, em faturamento

  • Eletrodomésticos – 23%
  • Telefonia/celulares – 21%
  • Eletrônicos – 12,4%
  • Informática – 9,5%
  • Casa e decoração – 7,7%

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Centrais de atendimento devem ir para a nuvem na América Latina

O mercado de centrais de atendimento on-premises (instaladas na própria empresa) movimentaram US$ 240 milhões na América Latina em 2015, sendo que o Brasil representou 50% do total. Em 2021, esse montante deve alcançar US$ 275,5 milhões. No mesmo ano, as soluções em nuvem devem representar mais do que 30% do[…]

Leia mais »
Jeff Weiner (presidente do LinkedIn), Satya Nadella (presidente da Microsoft) e Reid Hoffman (presidente do conselho do LinkedIn) / Divulgação

Por que a Microsoft comprou o LinkedIn

Sob o comando de Satya Nadella, a Microsoft tem feito um movimento forte para a computação em nuvem, ao mesmo tempo em que busca se posicionar como uma empresa mais aberta a parcerias e à integração com outras plataformas. A aquisição do LinkedIn por US$ 26,2 bilhões, a maior da história[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami