inova.jor

inova.jor

Centro de pesquisa da Saint-Gobain desenvolve produtos para o Hemisfério Sul

Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Saint-Gobain usa tecnologias criadas pelo grupo / Mariana Lima / inova.jor
Centro de pesquisa e desenvolvimento da Saint-Gobain usa tecnologias criadas pelo grupo / Mariana Lima/inova.jor

CAPIVARI (SP)

Janelas que regulam a iluminação do sol e controlam a temperatura externa. Placas estrategicamente posicionadas para manter a acústica de salas de reunião e escritórios. E sistema de resfriamento com água do subsolo.

O centro de pesquisa e desenvolvimento do Grupo Saint-Gobain fica na cidade Capivari, a 108 quilômetros da capital São Paulo.

O local é o cartão de visitas das soluções do grupo para o setor de construção civil, todo construído para demonstrar produtos inovadores que a empresa oferece no mercado mundial.

Inaugurado em 2016, o Centro conta com engenheiros químicos e físicos que estudam como os produtos deles podem ser melhorados para o mercado nacional de construção civil.

“A Saint-Gobain possui outros centros de pesquisa e desenvolvimento no mundo, mas este no Brasil é o primeiro voltado para o hemisfério sul. O nosso clima aqui é totalmente diferente”, diz Paul Houang, diretor do centro.

O processo de inovação começou com a escolha do município para receber o centro. Com as altas temperatura de Capivari, os técnicos estudam o impacto do clima tropical brasileiro nas soluções vendidas pela Saint-Gobain.

Produtos são testados dentro do Centro de Pesquisa para se adequar ao mercado nacional / Mariana Lima / inova.jor
Produtos testados no centro de pesquisa são adaptados ao mercado nacional / Mariana Lima/inova.jor

Portfólio

Entre os itens em demonstração, há paredes montáveis, vidros que se adaptam à iluminação solar de forma automática ou com interação humana, bueiros inteligentes para escoamento de água da chuva.

Para colocar o prédio de pé, foram gastos R$ 55 milhões.

Em breve, na entrada do centro, haverá uma instalação sensorial, em que os visitantes poderão verificar na prática efeitos como redução de ruído ou de calor trazidos pelos produtos.

Inovação

Apesar do portfólio extenso, Houang afirma que poucas pessoas acreditam em inovação no setor da construção civil.

“Ganhamos prêmios anualmente devido aos nossos investimentos em inovação. A construção civil, em geral, não investe muito nessa área mesmo. Mas sempre tentamos estar à frente”, conclui.

Além de inaugurar o centro de pesquisa, a Saint-Gobain fechou, no ano passado, uma parceria com o Cubo Coworking Itaú.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Até 2020, o mercado de casas inteligentes deve gerar € 122,7 bilhões / Divulgação

Quando os eletrodomésticos se conectam à internet

Controlar aparelhos domésticos à distância é uma funcionalidade cada vez mais próxima da vida das famílias. A expectativa é que o mercado de casas inteligentes (smart home) tenha uma forte expansão nos próximos anos. E o Brasil não deve ficar de fora. O estudo How to create growth from the connected home, da Deutsche[…]

Leia mais »
O jornalista Renato Cruz, do inova.jor, fala sobre o conceito de Indústria 4.0

Você sabe o que é Indústria 4.0?

O jornalista Renato Cruz, do inova.jor, fala sobre o conceito de Indústria 4.0. Um estudo recente da Zebra Technologies indicou que 64% das empresas planejam ter suas fábricas conectadas até 2022. Assine o canal do inova.jor no YouTube. Comentários comentários

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami