inova.jor

inova.jor

O plano de comunicação da startup é tão importante quanto o plano de negócios

A estratégia de comunicação deve acompanhar a realidade de cada startup /Steven Zwerink/Creative Commons
A estratégia de comunicação deve acompanhar a realidade de cada startup /Steven Zwerink/Creative Commons

Não é de hoje que os ventos deixaram de soprar favoráveis à economia brasileira. Ainda assim, dados revelam a boa fase das startups – novos negócios, geralmente da área de tecnologia – no País.

De acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABS), atualmente há 4,2 mil empresas em desenvolvimento no Brasil. Ainda não há dados compilados do crescimento em 2016, mas o índice foi de 30% no ano anterior.

O estudo Global Startup Ecosystem Ranking 2015, o mais recente realizado pela empresa Compass, apontou São Paulo como a 12ª cidade mais favorável para a criação de novos empreendimentos – a melhor da América Latina.

A explicação pode estar ligada ao DNA dos seus modelos de negócios: enxutos, colaborativos e altamente tecnológicos.

Crescimento

Monica Lourenci, da Zeno / Divulgação
Monica Lourenci, da Zeno / Divulgação

Apesar do cenário positivo, sabemos que nem todas as startups decolam e mais: as que se concretizam nem sempre compartilham a mesma sorte.

Há novatos que quebram nos primeiros meses, outros que apresentam uma curva de crescimento mais previsível e os que fazem sucesso da noite para o dia.

Seja qual for a realidade da empresa, há duas questões determinantes:

  1. o plano de comunicação de uma startup é tão importante quanto seu plano de negócios e
  2. a estratégia de comunicação deve acompanhar a realidade dos empreendimentos.

Assim como existem startups com diferentes realidades, há diversas formas de comunicar produtos e serviços a cada stakeholder em múltiplos canais – e isso vai depender do momento desses negócios, do contexto econômico em que eles estão inseridos, do perfil da startup, de seus públicos e objetivos.

São, portanto, muitas questões a serem equalizadas. Empreendimentos pequenos, ainda sem investidores de porte, demandam uma comunicação tão focada quanto certeira.

É um trabalho de formiguinha: consistente, coerente e permanente. Já as startups que vingam, que de uma hora para outra se encontram no centro das atenções, também demandam ações objetivas como as anteriores, é claro, porém mais rápidas e agressivas.

Uma empresa desse tipo precisa, além de se comunicar com o seu público, estar alinhada às necessidades do mercado, respondendo perguntas e se posicionando positivamente frente a questões atuais, desafios e crises.

Comunicação contemporânea

Ao chegar no Brasil, o Uber, por exemplo, teve de conquistar clientes e, ao mesmo tempo, lidar com as questões legais que ameaçavam inviabilizar seu negócio no País.

Hoje, globalmente, os desafios da marca são outros – o presidente da empresa, Jeff Jones, renunciou sete meses após assumir o posto, reacendendo o debate para questões que vêm comprometendo a imagem da companhia.

Algo parecido aconteceu com a Loggi: expandia com sucesso até que precisou lidar com um protesto de seus colaboradores, que reclamavam de condições de trabalho.

Comunicação envolve reputação, confiança e transparência. E só uma comunicação integrada com estratégia bem elaborada e executada, alinhada aos desafios de negócio do cliente e à essência da marca, dá conta do recado na tarefa de construir uma marca, gerar engajamento e concorrer com os grandes.

Uma comunicação contemporânea deve considerar pesquisa, branding, digital, criação e ativação, e pode ser uma das principais responsáveis pelo crescimento da base de usuários e clientes de uma empresa, além de atrair talentos, oportunidades e capital.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Oito conta com incubadora, coworking, laboratório de IoT e espaço de eventos / Divulgação

Incubadora da Oi abre processo de seleção de startups

A Oi inaugurou hoje (24/8), no Rio de Janeiro, o Oito, seu espaço de empreendedorismo e inovação. A operadora também deu início à seleção de startups para um programa de incubação. As inscrições vão até 15 de outubro. Terão preferência empresas iniciantes com projetos nas seguintes áreas: internet das coisas[…]

Leia mais »
A Angola Cables é considerada uma empresa-âncora do Parque Tecnológico de Fortaleza / Divulgação

Limitar a banda larga é limitar o desenvolvimento do País

O problema da limitação da banda larga, seja a fixa ou a móvel, vai além de uma questão governamental ou de um Projeto de Lei. O ponto nefrálgico dessa discussão está em uma disputa entre operadoras e over the top (OTTs) – empresas que oferecem serviços sobre a Internet: jogos,[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami