inova.jor

inova.jor

O que os consumidores esperam do celular do futuro

Usuários de celular esperam ser atendidos por inteligência artificial no futuro / Héctor García/Creative Commons
Usuários de celular esperam ser atendidos por inteligência artificial no futuro / Héctor García/Creative Commons

Apesar de muita gente dizer que o smartphone já morreu, os consumidores têm expectativas sobre como o celular vai evoluir nos próximos anos.

Uma pesquisa da Gemalto ouviu quase 2 mil pessoas em seis países, incluindo o Brasil, e mostrou que a duração da bateria e a capacidade de armazenamento de dados são grandes preocupações.

Segundo o relatório Connected Living 2025, os principais desejos dos consumidores são:

  • bateria com duração de uma semana (64%);
  • 100 vezes mais memória para armazenamento de dados (64%);
  • câmera de ultra-alta definição, 3D e 360 graus (59%);
  • armazenamento ilimitado na nuvem (59%);
  • carregamento sem fio de longa distância (55%);
  • velocidade de mais de 100 gigabits por segundo (50%);
  • forma inteiramente nova, flexível e dobrável (36%);
  • tela holográfica e com realidade aumentada (34%);
  • óculos de realidade virtual incorporados ao dispositivo (30%);
  • plataforma de jogos mais poderosa (28%);
  • tela em lentes de contato (22%);
  • implante neural para controlar o telefone por pensamento (16%).

Operadora do futuro

Quando perguntados sobre o futuro das operadoras, os consumidores manifestaram de o desejo de ter um atendimento mais automatizado e personalizado.

Segundo a pesquisa, a expectativa de atendimento em 2025 é a seguinte:

  • uma inteligência artificial vai responder todas as perguntas (34%);
  • serviço altamente especializado (33%);
  • contato principalmente por mensagens de texto (32%);
  • contato principalmente por correio eletrônico (29%);
  • minha operadora vai parecer uma assistente digital (28%);
  • contato principalmente por chamadas de voz (23%);
  • o serviço em 2025 vai ser pior do que é hoje (13%).

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor

Como deve evoluir a digitalização da indústria brasileira

Poucas indústrias brasileiras adotam tecnologias digitais avançadas. Segundo pesquisa do Projeto Indústria 2027, somente 1,6% das empresas encontra-se hoje na chamada Indústria 4.0. Em dez anos, esse percentual deve subir para 21,8%. A Indústria 4.0 promove a integração da automação da fábrica aos demais sistemas digitais da empresa, com adoção[…]

Leia mais »
Christopher Klotzbach diretor da Flurry fala sobre mobile 2.0 / Mariana Lima / inova.jor

Para onde vai o mercado de aplicativos

Para Christopher Klotzbach, diretor da Flurry Analytics, a experiência dos usuários de aplicativos entra numa nova fase, que ele chama de Mobile 2.0. O executivo tem uma visão privilegiada desse mercado. Pertencente ao Yahoo, a Flurry opera uma plataforma usada por desenvolvedores para entender e acompanhar o perfil dos usuários de seus[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami