inova.jor

inova.jor

O avanço tecnológico destrói vidas? Muita gente acha que sim

Avanço: Pesquisa mostra que 69% das pessoas não imaginam como viver sem internet / ajari/Creative Commons
Pesquisa mostra que 69% das pessoas não imaginam como viver sem internet / ajari/Creative Commons

Hendrik van Loon é um escritor que anda meio esquecido. Seu livro História das invenções: o homem, fazedor de milagres foi publicado em 1934 nos Estados Unidos, e saiu por aqui na década seguinte, pela Editora Brasiliense.

O historiador holandês expôs nesse livro uma ideia poderosa, que foi adotada mais tarde por Marshall McLuhan: a de que as tecnologias são extensões do corpo humano.

Ele escreveu:

    Todas as invenções já idealizadas têm por objetivo principal auxiliar o homem na sua louvável luta de passar pela vida com o máximo de prazer em troca do mínimo de esforço. Algumas delas, porém, são meras multiplicações (extensões, intensificações ou aumentos) de certos atributos físicos, tais como “falar” , “andar”, “atirar” , “ouvir”  ou “ver” , enquanto que outras são o resultado do desejo do homem de poupar dignamente suas faculdades físicas e mentais.

Killer app

Uma pesquisa recente da Ipsos, que mediu tendências mundiais, verificou que a maioria das pessoas não tem mais uma visão tão benigna da tecnologia.

Metade dos pesquisados temem que o avanço tecnológico esteja destruindo suas vidas. No Brasil, esse percentual é maior ainda, alcançando 62%.

A percepção negativa dos brasileiros é maior também do que a média dos mercados emergentes, de 58%. A pesquisa ouviu 18 mil pessoas em 23 países entre setembro e outubro do ano passado.

O maior aumento da percepção negativa sobre a tecnologia foi entre a geração Z, que nasceu entre meados da década de 1990 e 2010.

Em 2014, somente 37% da geração Z achavam que o progresso tecnológico destruía vidas. No estudo deste ano, esse número passou para 50%.

Dependência

A visão negativa sobre o avanço tecnológico ganha espaço ao mesmo tempo em que as pessoas se dão conta de como dependem completamente da tecnologia.

Na mesma pesquisa da Ipsos, 69% dos entrevistados responderam que não imaginam como viver sem internet. Mais uma vez, o Brasil está acima da média, com 73%.

O reconhecimento dessa dependência, acompanhado da ideia de que o avanço tecnológico mata, pode significar que, ao contrário do que propôs Van Loon no século passado, nossos corpos acabaram se tornando extensões de nossas invenções.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Pesquisa mostra aumentou de confiança online entre usuários do Blablacar / Dênio Simões/Agência Brasília

Economia do compartilhamento incentiva confiança

É possível ter mais confiança num total desconhecido que num colega de trabalho? Estudo realizado pela New York University Stern (NYU) e pela BlaBlaCar, plataforma de viagens compartilhadas de longa distância, aponta que sim. Denominado de “Entering the trust age” (entrando na era da confiança), o estudo mostra mudanças nas relações interpessoais numa sociedade[…]

Leia mais »

Nasa vai debater com o público descobertas de exoplanetas

A descoberta de exoplanetas, planetas que orbitam estrelas fora do sistema solar, pode ser a esperança da existência de vida além da Terra. Nos últimos anos, o telescópio Kepler detectou mais de 2,3 mil exoplanetas, sendo que 21 deles foram considerados promissores e potencialmente habitáveis. A Nasa quer envolver o público[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami