inova.jor

inova.jor

Como empresas podem usar Lego para tomar decisões

Metodologia foi desenvolvida pela Lego com professores do IMD Business School / Divulgação
Metodologia foi desenvolvida pela Lego com professores do IMD Business School / Divulgação

Lego pode ser coisa de gente grande. A empresa Play In Company oferece treinamentos para ensinar como os blocos de brinquedo podem ser aplicados na construção de cenários estratégicos.

A ideia é que as pessoas possam, em ambiente de trabalho, simularem situações e testarem ações, numa metodologia chamada Lego Serious Play.

“Tive meu primeiro contato com a metodologia numa viagem à Dinamarca, em 2012”, afirma Mirian Fávaro, sócia-diretora da Play in Company. “Na época, era responsável pelo marketing da Lego Education no Brasil. Já conhecia o valor que os blocos tinham no processo de aprendizagem, mas ainda não tinha visto seu uso no desenvolvimento de adultos.”

No ano seguinte, Mirian fundou a Play In Company, com a primeira certificação da metodologia no Brasil. Além de treinamentos em empresas, a companhia promove cursos abertos. O próximo acontece no dia 24.

Pensar com as mãos

Segundo Mirian, a metodologia pode ser aplicada em atividades como:

  • planejamento estratégico,
  • formação de equipes,
  • gerenciamento de crise,
  • seleção e retenção de talentos,
  • desenvolvimento de ideias, produtos e modelos de negócios, e
  • estímulo da criatividade, comprometimento e inovação.

Entre as empresas que a adotaram estão o Boticário, Microsoft, Nasa, Unilever e Scania.

“Ao fazer com que os participantes ‘pensem com as mãos’, estimula o uso dos dois lados do cérebro – o racional e o emocional – e promove a criação de novas conexões”, afirma a empreendedora. “Com isso, acontece naturalmente o desbloqueio de conhecimentos que os participantes já possuem – mas não tem consciência –, e também o surgimento de novas ideias, visões e percepções.”

A primeira versão da metodologia Lego Serious Play foi desenvolvida em 2001, por dois professores da IMD Business School, Johan Ross e Bart Victor, e pelo então diretor de pesquisa e desenvolvimento da Lego Education, Robert Rasmussen.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Bellus 3D criou um scanner que se conecta ao celular e capta imagens 3D do rosto / Renato Cruz/inova.jor

CES 2017: Conheça 10 projetos criados por startups

LAS VEGAS O Eureka Park é o espaço que reúne startups na CES, evento de eletrônicos de consumo que terminou semana passada em Las Vegas. Neste ano, reuniu cerca de 600 empresas iniciantes de várias partes do mundo. Abaixo, destaco 10 projetos interessantes apresentados por elas. Scanner facial Sediada em[…]

Leia mais »
Maioria já sabe que é possível pagar com o celular, afirma Edlayne Altherman Burr, da Accenture / Renato Cruz/inova.jor

O que falta para a massificar os pagamentos móveis

A fase de divulgação dos sistemas de pagamentos móveis já passou. Segundo Edlayne Altherman Burr, diretora da Accenture, 56% das pessoas já sabem que dá para pagar com o celular. “Antes, a prioridade era a educação dos consumidores”, explica Burr, que participou hoje do evento Cards Payment & Identification 2017, em[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami