inova.jor

inova.jor

Brasil cai no ranking de inovação em tecnologia limpa

Tecnologia limpa: O etanol celulósico é uma das áreas promissoras para o Brasil nos próximos anos / Secr. Agricultura SP/Creative Commons
O etanol celulósico é uma das áreas promissoras para o Brasil nos próximos anos / Secr. Agricultura SP/Creative Commons

O Brasil caiu cinco posições no ranking de inovação em tecnologia limpa, ficando em 30.º lugar entre 40 países analisados.

A informação está disponível na terceira edição do relatório Global CleanTech Innovation Index, do WWF. O estudo anterior havia sido divulgado em 2014.

A principal queda do Brasil foi no indicador de inovação de tecnologia limpa comercializada, em que o País passou do 2.º lugar para o 29.º.

Segundo o diretor executivo do WWF-Brasil, Maurício Voivodic, o foco no pré-sal fez com que o Brasil perdesse, nos últimos anos, espaço em biocombustíveis e outras fontes renováveis de energia.

O destaque positivo para o Brasil foi na atividade empreendedora em estágio inicial, em que o País ficou em 1.º entre os 40 países.

Isso significa que o mercado brasileiro é promissor no médio e no longo prazo, desde que haja fontes de financiamento e políticas públicas favoráveis.

O coordenador do programa Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, destaca oportunidades para o País nas seguintes áreas:

  • etanol celulósico,
  • uso de algas para produção de energia,
  • mini e microgeração de eletricidade,
  • bioquerosene para aviação, e
  • agricultura de baixo carbono

Cenários de inovação

As três melhores posições do índice foram ocupadas por Dinamarca, Finlândia e Suécia.

O estudo levou em conta três cenários de inovação em tecnologia limpa:

  • criadores de ecossistemas, em que se destacam países como Dinamarca, Suécia e Estados Unidos;
  • criadores de startups, como Israel, Finlândia e Canadá; e
  • comercializadores, como Alemanha, Cingapura e Coreia do Sul.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O jornalista Renato Cruz comenta a transição da Microsoft para o modelo de computação em nuvem

Como está a transição da Microsoft para a nuvem

O jornalista Renato Cruz comenta a transição da Microsoft para o modelo de computação em nuvem. Ontem (20/7), a empresa divulgou seus resultados do quarto trimestre fiscal. A receita da divisão Intelligent Cloud alcançou US$ 7,4 bilhões, um crescimento de 11% sobre o mesmo período de 2016. Assine o canal do[…]

Leia mais »
Linha de montagem da Tesla / Steve Jurvetson/Creative Commons

O cliente sempre está certo? Elon Musk, da Tesla, acha que não

Se o cliente for “supergrosseiro”, Elon Musk, presidente da Tesla Motors, se reserva o direito de não vender carros para ele. Foi o que aconteceu com Stewart Alsop, ex-jornalista e atual investidor de risco, que criticou um evento de lançamento da Tesla no Medium. Em setembro do ano passado, Alsop reclamou que o evento[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami