inova.jor

inova.jor

Por que a Amazon comprou a Whole Foods

A rede de supermercados Whole Foods é pioneira na venda de orgânicos / Divulgação
A rede de supermercados Whole Foods é pioneira na venda de orgânicos / Divulgação

A Amazon anunciou hoje (16/6) a compra da Whole Foods Market por US$ 13,4 bilhões. O negócio representa um reforço na estratégia de lojas físicas da varejista online e uma ameaça a concorrentes como o Walmart.

Quando surgiu em 1994, a Amazon era um site de vendas de livros. Com o tempo, foi completando sua oferta de produtos, tornando-se a maior varejista da internet, ao mesmo tempo em que se lançava a novos mercados, como serviços de nuvem, fabricação de eletrônicos e streaming de vídeo.

Recentemente, a Amazon abriu suas primeiras livrarias físicas.

Ao mesmo tempo, passou a testar alternativas à estrutura convencional do varejo, como a loja Amazon Go, sem caixas, em que o cliente só precisa se identificar e sair com os produtos da loja para que a cobrança seja feita num cartão pré-cadastrado.

Competição difícil

Criada em 1978, a Whole Foods é uma cadeia americana de supermercados, pioneira em produtos orgânicos.

Nos últimos anos, a varejista tem enfrentado dificuldades de competir com redes convencionais, que passaram a oferecer produtos saudáveis a preços bem menores.

A rede de lojas da Whole Foods deve reforçar a estratégia da Amazon no mercado de produtos alimentícios. Atualmente, a atuação da Amazon nessa categoria é limitada a poucas cidades.

Pela necessidade de refrigeração e prazo de validade curto, esses produtos precisam estar mais próximos dos consumidores do que eletrônicos, roupas e outras categorias populares do varejista online.

O mercado americano de produtos alimentícios movimenta de US$ 700 bilhões a US$ 800 bilhões por ano.

A Whole Foods tem cerca de 460 lojas nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, com faturamento anual próximo de US$ 16 bilhões.

A aquisição ainda precisa ser aprovada pelos acionistas da Whole Foods e pelas autoridades regulatórias.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Indústria será o setor que mais investirá em IoT, diz previsão da IDC Brasil / Chan 360 / Creative Commons

Internet das coisas deve incentivar investimentos em 2017

As empresas vão voltar a investir em projetos de inovação e transformação digital em 2017. A expectativa faz parte das previsões para o mercado de telecomunicações e tecnologia da informação da consultoria IDC Brasil. Segundo o relatório, a retomada de investimentos é reflexo da necessidade das empresas brasileiras em se manter[…]

Leia mais »
O Google tem um projeto pioneiro de carro autônomo

Qual é o papel do governo na inovação dos Estados Unidos

Os Estados Unidos planejam investir US$ 4 bilhões em projetos de veículos autônomos, num período de dez anos. O secretário de Transportes, Anthony Foxx, anunciou hoje em Detroit que a medida tem como objetivo acelerar o desenvolvimento e a adoção de automação segura de veículos em projetos-piloto do mundo real. Esse[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami