inova.jor

inova.jor

Por que a Amazon comprou a Whole Foods

A rede de supermercados Whole Foods é pioneira na venda de orgânicos / Divulgação
A rede de supermercados Whole Foods é pioneira na venda de orgânicos / Divulgação

A Amazon anunciou hoje (16/6) a compra da Whole Foods Market por US$ 13,4 bilhões. O negócio representa um reforço na estratégia de lojas físicas da varejista online e uma ameaça a concorrentes como o Walmart.

Quando surgiu em 1994, a Amazon era um site de vendas de livros. Com o tempo, foi completando sua oferta de produtos, tornando-se a maior varejista da internet, ao mesmo tempo em que se lançava a novos mercados, como serviços de nuvem, fabricação de eletrônicos e streaming de vídeo.

Recentemente, a Amazon abriu suas primeiras livrarias físicas.

Ao mesmo tempo, passou a testar alternativas à estrutura convencional do varejo, como a loja Amazon Go, sem caixas, em que o cliente só precisa se identificar e sair com os produtos da loja para que a cobrança seja feita num cartão pré-cadastrado.

Competição difícil

Criada em 1978, a Whole Foods é uma cadeia americana de supermercados, pioneira em produtos orgânicos.

Nos últimos anos, a varejista tem enfrentado dificuldades de competir com redes convencionais, que passaram a oferecer produtos saudáveis a preços bem menores.

A rede de lojas da Whole Foods deve reforçar a estratégia da Amazon no mercado de produtos alimentícios. Atualmente, a atuação da Amazon nessa categoria é limitada a poucas cidades.

Pela necessidade de refrigeração e prazo de validade curto, esses produtos precisam estar mais próximos dos consumidores do que eletrônicos, roupas e outras categorias populares do varejista online.

O mercado americano de produtos alimentícios movimenta de US$ 700 bilhões a US$ 800 bilhões por ano.

A Whole Foods tem cerca de 460 lojas nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, com faturamento anual próximo de US$ 16 bilhões.

A aquisição ainda precisa ser aprovada pelos acionistas da Whole Foods e pelas autoridades regulatórias.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Jeff Weiner (presidente do LinkedIn), Satya Nadella (presidente da Microsoft) e Reid Hoffman (presidente do conselho do LinkedIn) / Divulgação

Por que a Microsoft comprou o LinkedIn

Sob o comando de Satya Nadella, a Microsoft tem feito um movimento forte para a computação em nuvem, ao mesmo tempo em que busca se posicionar como uma empresa mais aberta a parcerias e à integração com outras plataformas. A aquisição do LinkedIn por US$ 26,2 bilhões, a maior da história[…]

Leia mais »
Maioria já sabe que é possível pagar com o celular, afirma Edlayne Altherman Burr, da Accenture / Renato Cruz/inova.jor

O que falta para a massificar os pagamentos móveis

A fase de divulgação dos sistemas de pagamentos móveis já passou. Segundo Edlayne Altherman Burr, diretora da Accenture, 56% das pessoas já sabem que dá para pagar com o celular. “Antes, a prioridade era a educação dos consumidores”, explica Burr, que participou hoje do evento Cards Payment & Identification 2017, em[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami