inova.jor

inova.jor

Por que o futuro da energia é eólico e solar

Custos da energia solar devem cair 66% até 2040 / Jason Morrison/Creative Commons
Custos da energia solar devem cair 66% até 2040 / Jason Morrison/Creative Commons

Até 2040, devem ser investidos US$ 10,2 trilhões em novas operações de geração de energia. Segundo a Bloomberg, energias renováveis, como solar e eólica, devem receber US$ 7,4 trilhões desse total.

O relatório New Energy Outlook 2017 aponta que, até 2040, os custos da energia solar devem cair 66% e da energia eólica onshore 47%.

A mudança no perfil de geração de energia deve fazer com que as emissões globais de carbono atinjam o pico em 2026 e, em 2040, fiquem 4% abaixo do que estavam no ano passado.

Em 2040, as fontes solar e eólica devem responder por 48% da capacidade instalada no mundo e por 34% da geração de eletricidade, em comparação aos atuais 12% e 5%, respectivamente.

Em 2040, painéis solares residenciais devem gerar 20% da eletricidade no Brasil, 24% na Austrália, 15% na Alemanha, 12% no Japão e 5% nos Estados Unidos e na Índia.

Atualmente, a energia solar já é tão barata quanto o carvão na Alemanha, Austrália, Estados Unidos, Espanha e Itália. Em 2021, deve se tornar mais barata que o carvão na China, Índia, México, Reino Unido e Brasil.

Geração global de energia até 2040 / Bloomberg
Geração global de energia até 2040 / Fonte: Bloomberg

Baterias e carros elétricos

A queda nos preços das baterias e o avanço dos carros elétricos devem contribuir para tornar mais verde o perfil da energia no mundo.

As baterias de íon de lítio para armazenamento de energia devem se tornar um mercado de US$ 239 bilhões até 2040. Sistemas de pequena escala para casas e empresas devem então ser responsáveis por 57% do armazenamento no mundo.

A escala trazida pelos carros elétricos deve derrubar o preço das baterias de íon de lítio em 73% até 2030.

A Bloomberg prevê que, em 2040, fontes renováveis devem ser responsáveis por 74% da energia consumida na Alemanha, por 38% nos Estados Unidos, por 55% na China e 49% na Índia.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

No Brasil, a maioria das conexões M2M está concentrada em máquinas de cartão / Edilson Rodrigues/Agência Senado

Quando as máquinas conversam entre si

Georgia Jordan Totalizando 11,6 milhões de acessos em abril de 2016, o Brasil é o maior mercado de comunicação máquina a máquina (M2M, na sigla em inglês) da América Latina. No entanto, não é necessariamente o mais avançado comparado a outros países em que o serviço é mais recente. O mercado brasileiro[…]

Leia mais »

Startup aplica aprendizado de máquina à energia eólica

O mercado brasileiro de energia eólica completou dez anos em 2016. Apesar de recente, esse tipo de energia renovável tem atraído investidores interessados em mudar o panorama da energia no País. Criada no início do ano, a Delfos Predictive Maintenance é uma das apostas para transformar o setor. A startup[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami