inova.jor

inova.jor

Por que o futuro da energia é eólico e solar

Custos da energia solar devem cair 66% até 2040 / Jason Morrison/Creative Commons
Custos da energia solar devem cair 66% até 2040 / Jason Morrison/Creative Commons

Até 2040, devem ser investidos US$ 10,2 trilhões em novas operações de geração de energia. Segundo a Bloomberg, energias renováveis, como solar e eólica, devem receber US$ 7,4 trilhões desse total.

O relatório New Energy Outlook 2017 aponta que, até 2040, os custos da energia solar devem cair 66% e da energia eólica onshore 47%.

A mudança no perfil de geração de energia deve fazer com que as emissões globais de carbono atinjam o pico em 2026 e, em 2040, fiquem 4% abaixo do que estavam no ano passado.

Em 2040, as fontes solar e eólica devem responder por 48% da capacidade instalada no mundo e por 34% da geração de eletricidade, em comparação aos atuais 12% e 5%, respectivamente.

Em 2040, painéis solares residenciais devem gerar 20% da eletricidade no Brasil, 24% na Austrália, 15% na Alemanha, 12% no Japão e 5% nos Estados Unidos e na Índia.

Atualmente, a energia solar já é tão barata quanto o carvão na Alemanha, Austrália, Estados Unidos, Espanha e Itália. Em 2021, deve se tornar mais barata que o carvão na China, Índia, México, Reino Unido e Brasil.

Geração global de energia até 2040 / Bloomberg
Geração global de energia até 2040 / Fonte: Bloomberg

Baterias e carros elétricos

A queda nos preços das baterias e o avanço dos carros elétricos devem contribuir para tornar mais verde o perfil da energia no mundo.

As baterias de íon de lítio para armazenamento de energia devem se tornar um mercado de US$ 239 bilhões até 2040. Sistemas de pequena escala para casas e empresas devem então ser responsáveis por 57% do armazenamento no mundo.

A escala trazida pelos carros elétricos deve derrubar o preço das baterias de íon de lítio em 73% até 2030.

A Bloomberg prevê que, em 2040, fontes renováveis devem ser responsáveis por 74% da energia consumida na Alemanha, por 38% nos Estados Unidos, por 55% na China e 49% na Índia.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Drone apresentado na CES 2015

CES 2016: Para onde vai o mercado de eletrônicos

Vivemos tempos interessantes. Os objetos estão cada vez mais conectados, mas ninguém sabe ainda quais serão os vencedores do mercado de “internet das coisas”, que vão substituir os computadores (que enfrentam vários trimestres de queda de vendas) e os smartphones (que passam por um período de desaceleração). Nesta semana, acontece[…]

Leia mais »

Para onde vai a internet em 2017, segundo Mary Meeker

O Internet Trends, elaborado por Mary Meeker, sócia da empresa de capital de risco Kleiner Perkins Caufield & Byers, é o relatório anual de tendências da internet mais aguardado pelo mercado. Ele foi apresentado na semana passada, durante a Code Conference, organizada pela Vox Media. No ano passado, os principais focos da apresentação foram[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami