inova.jor

inova.jor

Maioria prefere notícias escolhidas por algoritmo

Pesquisa aponta que 44% ainda preferem notícias selecionadas por um editor humano / Pablo/Creative Commons
Pesquisa aponta que 44% ainda preferem notícias selecionadas por um editor humano / Pablo/Creative Commons

Como você encontra as notícias que lê? Provavelmente, boa parte delas vem do seu feed do Facebook ou de uma busca no Google.

A edição deste ano do Digital News Report, do Reuters Institute, apontou que a maioria das pessoas prefere que algoritmos escolham as notícias para elas, no lugar de editores humanos.

A pesquisa ouviu mais de 70 mil pessoas em 36 países (incluindo o Brasil), e descobriu que 54% preferem uma seleção feita por algoritmos. Entre pessoas com menos de 35 anos, esse percentual sobe para 64%.

Maioria prefere notícias escolhidas por algoritmo / Fonte: Reuters Institute
Fonte: Reuters Institute

Um ponto positivo dessa tendência é que, de acordo com o relatório, o software das redes sociais, buscadores e agregadores tem exposto as pessoas a uma diversidade maior de fontes de informação.

“Há pontos de vista diferentes e algumas coisas que a mídia convencional suprime para ser politicamente correta”, afirmou um dos entrevistados.

Por um lado, esse resultado reduz o temor de que os algoritmos das redes sociais estejam criando bolhas de informação, em que as pessoas veem somente aquilo que gostam de ver.

Por outro, a diversidade de fontes pode abrir espaço para notícias falsas, como apontou uma entrevistada: “Textos contraditórios, trolagem e sites de teorias da conspiração estão por toda parte, semeando problemas”.

Fontes de informação

Um ponto negativo da preferência por algoritmos é que as pessoas se lembram cada vez menos da fonte das informações.

A pesquisa ouviu 3 mil pessoas no Reino Unido. Dois terços lembraram de como chegaram às notícias (pelo Google ou Facebook, por exemplo).

Mas somente 37% se lembraram do nome do veículo responsável pela notícia achada na busca e 47% pela notícia achada na rede social.

Pessoas estão expostas a mais fontes de informação / Fonte: Reuters Institute
Fonte: Reuters Institute

Mudanças no Brasil

O relatório tem uma seção dedicada ao mercado brasileiro. Seguem alguns destaques:

  • O mercado de mídia local ainda é dominado por emissoras de televisão, presente em 97% das residências. Em comparação, 68% da população brasileira acessam a internet.
  • No ano passado, a circulação dos cinco maiores jornais pagos no País caiu quase 8%. Pelo menos sete publicações de papel deixaram de circular, incluindo o Jornal do Commercio, o segundo mais antigo do Brasil.
  • Em agosto de 2016, a Folha de S. Paulo anunciou que sua circulação digital ultrapassou a de papel. Apesar do avanço nas assinaturas digitais, somente 22% dos brasileiros afirmaram pagar por notícias online, mesmo percentual do ano anterior.
  • Em 2016, os smartphones ultrapassaram os computadores como a principal fonte de notícias online.
  • Somente 17% dos brasileiros afirmaram usar bloqueadores de anúncios, menos do que em outros países. Nos smartphones, apenas 8% instalaram ad-blockers.
  • A adoção de paywalls (bloqueios para quem não é assinante) por veículos de notícias reduziu um pouco o compartilhamento nas redes sociais.
  • O WhatsApp ganhou espaço como ferramenta de compartilhar notícias.
Principais marcas no Brasil / Fonte: Reuters Institute
Fonte: Reuters Institute

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Nintendo tentou colocar a realidade virtual no mercado há 20 anos, com o Virtual Boy, mas não deu certo

Quando a realidade virtual era o futuro da tecnologia

O pesquisador Jaron Lanier é conhecido hoje por ser autor de livros como Gadget: você não é um aplicativo e Bem-vindo ao futuro, em que propõe que mudemos a forma como nos relacionamos com a tecnologia. No século passado, no entanto, ele era conhecido como o principal defensor da realidade virtual. Muita gente achava que[…]

Leia mais »
David Lynch interpreta Gordon Cole na volta do seriado Twin Peaks / Reprodução

De onde deve vir o crescimento no mercado de mídia

O mercado de entretenimento e mídia está desacelerando. A PwC prevê que, nos próximos cinco anos, o crescimento médio global do setor deve ficar em 4,2%. A projeção do ano passado era de 4,4% de expansão anual. A participação de entretenimento e mídia no Produto Interno Bruto (PIB) global deve[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami