inova.jor

inova.jor

Provedores regionais temem fim da franquia de banda larga

Abrint: Muitos provedores regionais dependem de tecnologia de rádio para oferecer banda larga / Divulgação
Muitos provedores regionais dependem de tecnologia de rádio para oferecer banda larga / Divulgação

Os provedores regionais de internet estão preocupados com a possibilidade de a franquia de banda larga fixa ser proibida por lei.

“A aprovação do projeto que está na Câmara pode levar criar insegurança jurídica”, afirma Basílio Perez, presidente da diretoria executiva da Associação Brasileira dos Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint).

O projeto de lei 7182/2017 obriga a internet fixa a ser ilimitada.

Segundo Perez, sua aprovação poderia levar a aumento de preço dos planos ou a redução das velocidades atuais. Os provedores teriam de garantir a cada cliente a velocidade total contratada, o tempo todo.

O presidente da Abrint explica, que atualmente, a capacidade da rede é definida de maneira estatística. Ela leva em conta que nem todo mundo usa toda a capacidade ao mesmo tempo.

Direito do consumidor

Basílio Perez, da Abrint / Divulgação
Basílio Perez, da Abrint / Divulgação

A Abrint tem como associados quase mil pequenos provedores que, juntos, têm cerca de 3 milhões de clientes, equivalentes a 12% do total de usuários no País.

“As associações de consumidores encaram o tema como se fosse uma briga dos consumidores com três operadoras gigantes, sem levar em conta os provedores regionais”, afirma Perez.

Os pequenos provedores estão em algumas localidades a que não chegam redes de fibras ópticas, dependendo de tecnologia de rádio, com limites de capacidade.

Além disso, provedores que oferecem acessos via satélite teriam dificuldade de oferecer o serviço sem franquias de dados, como as que existem na banda larga móvel.

O projeto, que teve origem no Senado, foi aprovado neste mês pela Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara. Ela ainda precisa passar pelas comissões de Ciência e Tecnologia e de Constituição e Justiça antes de ir a plenário.

Para o presidente da Abrint, uma solução seria obrigar a oferta de planos ilimitados, além dos planos com franquias.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Seis startups serão escolhidas para o programa de aceleração da Algar Telecom / Renato Cruz/inova.jor

Algar Telecom abre novo ciclo de aceleração de startups

Startups com soluções focadas em eficiência, transformação digital, cidades inteligentes, entretenimento, comunicação e ferramentas para o público jovem podem se inscrever no Programa de Aceleração de Startups da Algar Telecom. Em parceria com a aceleradora Ace (antiga Aceleratech), a operadora mineira de telecomunicações abriu inscrições no início da semana para a segunda[…]

Leia mais »
A União Europeia anunciou uma iniciativa para levar banda larga para todas as pessoas e empresas / Groman123/Creative Commons

Setor precisa de novas políticas públicas

Quando a Lei Geral de Telecomunicações (LGT) foi criada, os definidores do marco regulatório estudaram modelos adotados para as telecomunicações em várias partes do mundo. Políticas públicas internacionais de sucesso costumam permear as discussões sobre melhorias no mercado nacional. Numa época de mudanças estruturais e de revisão do modelo regulatório[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami