inova.jor

inova.jor

Quais redes vão conectar a internet das coisas

Rede SigFox deve estar disponível em 12 grandes cidades e em propriedades rurais no Mato Grosso / Renato Cruz/inova.jor
Rede SigFox deve estar disponível em 12 grandes cidades e em propriedades rurais no Mato Grosso / Renato Cruz/inova.jor

Apesar de toda discussão sobre a importância das comunicações móveis de quinta geração (5G), o desenvolvimento da internet das coisas deve demandar outros tipos de conectividade.

Uma peça importante desse quebra-cabeça são as redes de longo alcance e baixa potência (LPWAN, na sigla em inglês), cujas principais alternativas são SigFox e LoRa.

Enquanto a tecnologia LoRa está disponível para qualquer empresa que queira construir sua rede, a SigFox decidiu por licenciar sua tecnologia para um único operador por região.

No Brasil, a empresa responsável por construir e operar a rede SigFox é a WND. A expectativa de lançamento é setembro, com cobertura em 12 grandes cidades brasileiras e em propriedades agrícolas no Mato Grosso.

Baixa velocidade

Algumas aplicações de internet das coisas vão exigir longa duração de bateria e baixo preço de comunicação. Por exemplo, um medidor de temperatura numa geladeira ou um sensor de porta.

As tecnologias de LPWAN são voltadas para esse tipo de aplicação. A ideia é que a bateria dos dispositivos dure vários anos.

“O 5G está no topo da pirâmide, para aplicações que precisam transportar megabytes”, explica Alexandre Silva Reis, diretor de operações da WND. “Nossa rede é para quem precisa de transportar bytes.”

O executivo afirma que sua rede é complementar à infraestrutura das operadoras celulares. A Telefônica, dona da Vivo, por exemplo, tem um acordo mundial com a Sigfox.

Frequências livres

A tecnologia usa frequências livres, que não exigem licença da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). São as mesmas pelas quais trafega o sinal de wi-fi.

A WND planeja investir US$ 50 milhões em três anos. Atualmente, sua rede já cobre 30% da população brasileira.

De acordo com Reis, a conectividade de uma dispositivo que gera pouco volume de dados à rede celular fica entre US$ 2 e US$ 3 ao mês. Na rede SigFox, o preço começa em US$ 1 ao ano.

Eduardo Iha, diretor de negócios da WND, afirma que setores importantes para a empresa são serviços públicos, transporte e logística, segurança, agricultura e cidades inteligentes.

A WND também opera redes SigFox em outros países da América Latina e no Reino Unido.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Amos Genish, da Vivo, diz que empresas precisam ser mais inovadoras

‘Brasil precisa criar centros tecnológicos’, diz presidente da Vivo

“O Brasil precisa criar centros tecnológicos aqui”, afirmou ontem Amos Genish, presidente da Vivo, durante a inauguração da nova sede da Wayra, aceleradora de startups do grupo espanhol. “Para saírem da crise, as empresas brasileiras precisam inovar mais, para se tornarem mais competitivas.” Segundo Genish, não falta competência aos profissionais[…]

Leia mais »
Presidente da Abrint destaca que a internet das coisas depende da expansão da banda larga / Groman123/Creative Commons

Ampliação da banda larga depende de fundo garantidor

Levar fibra óptica aos municípios menores e mais afastados dos grandes centros não é tarefa fácil nem barata. O esforço dos provedores regionais para que isso aconteça tem contribuído para o crescimento anual de 4,79% no número de acessos fixos, totalizando cerca de 26 milhões. Apesar desse crescimento, há ainda[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami