inova.jor

inova.jor

Setor elétrico está na linha de frente da internet das coisas

Setor elétrico aposta em iniciativas como inteligência artificial e automação da rede elétrica / Divulgação
Setor elétrico aposta em iniciativas como inteligência artificial e automação da rede elétrica / Divulgação

Dispositivos computadorizados, interligados por meio da internet, e que trocam dados e realizam tarefas com base nas informações coletadas.

Essa é a base da internet das coisas, tema amplamente comentado atualmente. Mas proponho aqui avançarmos mais um passo nessa discussão.

Para que essa ideia possa se concretizar e fazer parte, de fato, do cotidiano das pessoas, no Brasil, é preciso que setores inteiros passem por transformações radicais, com apoio do poder público e dos agentes reguladores.

O setor elétrico, especificamente, está vivendo um momento de transformação digital, ainda que modesto, impulsionado por projetos de redes inteligentes (smart grid), colocando-se na linha de frente da internet das coisas.

Iniciativas como inteligência artificial, despacho automático de equipes e automação da rede elétrica, por exemplo, permitirão tanto melhorar a assertividade da localização de eventuais defeitos na rede e reduzir o tempo de atendimento quanto realizar a gestão do consumo de energia, entre outros benefícios aos clientes e às distribuidoras.

Regulação do setor elétrico

Charles Capdeville, da AES Eletropaulo / Divulgação
Charles Capdeville, da AES Eletropaulo / Divulgação

A internet das coisas é uma evolução que já começou. Empresas preparadas para construir e fomentar essa nova realidade que se configura estarão capacitadas a entregar essa experiência aos seus clientes.

No entanto, para que a iniciativa privada possa se posicionar frente aos desafios inerentes a essa transformação, algumas questões precisam ser equacionadas, como o desenvolvimento de fornecedores nacionais, a viabilização de investimentos pelas políticas públicas e a realização de uma grande revisão do modelo regulatório.

No Brasil, instituições como a Financiadora de Projetos (Finep) já apoiam projetos do gênero e merecem destaque, mas falta ainda definição e um plano diretor que cubra todas as regras para incentivar a implantação de smart grid em todas as concessionárias.

Considerando todos esses pontos e os desafios que temos pela frente, é imperativo que a regulação brasileira não apenas acompanhe, mas pavimente o caminho para a transformação digital.

Nós, empresas, já estamos prontos para seguir com nossa jornada essa estrada.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Geotecnologias: A Agrotools quer oferecer serviços em nuvem ao pequeno produtor / Secretaria de Agricultura e Abastecimento/Creative Commons

Como as geotecnologias ajudam o agronegócio

Quando estava à frente da Intel Brasil, no ano passado, Fernando Martins anunciou a criação, em parceria com a Jacto, do Centro de Inovação no Agronegócio (CIAg), para aplicar conceitos de big data e internet das coisas ao setor. Martins acaba de assumir a presidência da AgroTools, uma empresa brasileira de[…]

Leia mais »
Existem grandes diferenças entre o ambiente móvel e o desktop / Maurizio Pesce/Creative Commons

Como saber se seu anúncio digital é realmente visto

As discussões sobre viewability (oportunidade de a publicidade ser realmente vista) começaram há cerca de quatro anos, com questionamentos de grandes anunciantes sobre o verdadeiro impacto das impressões em consumidores reais. Em 2017, por exemplo, os anunciantes devem perder aproximadamente US$ 6,5 bilhões por conta de bot frauds (visualizações ou cliques[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami