inova.jor

inova.jor

Varejistas transformam o WhatsApp em ferramenta de vendas

A Sandro Moscoloni é uma fábrica de calçados masculinos de Franca que vende pelo WhatsApp / Divulgação
A Sandro Moscoloni é uma fábrica de calçados masculinos de Franca que vende pelo WhatsApp / Divulgação

O WhatsApp está instalado em 91% dos smartphones brasileiros, segundo pesquisa da Conecta. O serviço de mensagens é mais popular até que o Facebook, empresa a quem pertence.

Essa popularidade faz com que varejistas, principalmente de menor porte, adotem o WhatsApp não somente para contato com clientes, mas como ferramenta de vendas.

Um exemplo de quem está fazendo isso é a Petit Pois Enfant, loja de roupas para bebês de Monte Azul Paulista (SP). “Noventa e cinco por cento das vendas são pelo WhatsApp”, afirma Thiago Rodas, sócio diretor da empresa.

A loja tem oito funcionários e cinco trabalham em vendas. “As mães preferem conversar com as vendedoras pelo aplicativo”, explica. “Elas mandam fotos e ficam amigas das vendedoras. Não querem lidar com robôs.”

O movimento da Petit Pois Enfant é de 600 a 650 vendas mensais, segundo Rodas. Apesar de a loja também existir fisicamente, a maioria das vendas são feitas pela internet.

Para empresas

Pelo menos desde o ano passado têm saído notícias de que o WhatsApp prepara uma versão de negócios, para pequenas empresas gerenciarem melhor o contato com clientes. A empresa não comenta essa informação.

Os varejistas ouvidos pelo inova.jor estiveram com representantes do aplicativo no Brasil, para contar como usam a ferramenta e quais são suas principais necessidades.

O WhatsApp tem mais de 120 milhões de usuários no Brasil. Uma pesquisa da Datafolha mostrou que 42% das pessoas usam o aplicativo para se comunicar com empresas e 27% para se comunicar com clientes.

É o caso da Sandro Moscoloni,  que vende pela internet calçados e acessórios masculinos fabricados pela marca em Franca (SP).

Segundo Rafael Santos, consultor de marketing da empresa, o WhatsApp começou a ser usado para a atividade de “resgate” de vendas.

Quando o cliente fazia a compra e não pagava o boleto, um vendedor entrava em contato com ele pelo aplicativo, para convencê-lo a finalizá-la.

A partir dos bons resultados dessa atividade, a loja começou a vender diretamente pelo aplicativo. “Os clientes confiam tanto que mandam até foto do cartão de crédito para pagar”, diz Santos.

Cerca de 20% das vendas são por WhatsApp. O cliente informa o que quer, a vendedora envia fotos dos produtos, o consumidor faz o pedido e recebe o link do boleto para pagar.

“Normalmente, o consumidor que prefere comprar pelo WhatsApp é mais velho, com mais de 35 anos, e das regiões Norte e Nordeste”, explica o consultor.

A Sandro Moscoloni tem quatro vendedoras no WhatsApp.

Funcionalidades

Sediada no Rio, a Shopping Premium é uma loja virtual de roupas e acessórios para mulheres. “Cerca de 40% de nossos atendimentos já começam no WhatsApp”, afirma Luiz Antonio Mac Dowell, proprietário da loja.

Antes de focar no WhatsApp, o varejista chegou a desenvolver um aplicativo próprio, que não teve o resultado esperado.

“Nosso público, que é mais de classes C e D, não quer mais aplicativos, pois seus celulares não comportam”, explica Mac Dowell.

Muitas consumidoras só acessam a internet pelo celular, que não tem configuração muito boa. Por isso, a experiência de compra no site é prejudicada, e elas preferem trocar mensagens com alguém da loja.

Os varejistas entrevistados nesta reportagem apontam algumas funcionalidades que seriam interessantes numa versão empresarial do aplicativo:

  • A possibilidade de vários vendedores usarem um único número;
  • Automação de envio de mensagens;
  • Painel de análise de dados, como existe no Google e no Facebook;
  • Ferramenta de gestão de contatos;
  • Meio de pagamento nativo, para que o consumidor não precise sair do aplicativo para fechar a compra.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A Neurotech usa o reconhecimento facial para combater fraudes no varejo / Divulgação

Reconhecimento facial pode ser usado até em pagamentos

Grandes varejistas são vítimas de tentativas diárias de fraude. Com documentos falsos, criminosos tentam tirar cartões de crédito ou conseguir crediários. Segundo Wagner Coppede Jr., diretor de Soluções e Engenharia da NEC no Brasil, são registradas em média 5 mil tentativas diárias de fraude em lojas brasileiras. Para combater esse[…]

Leia mais »
Carlos Ghosn, da Nissan, falou sobre carros autônomos e carros elétricos durante a CES / Renato Cruz/inova.jor

CES 2017: Nissan mostra que carro não será tão autônomo

LAS VEGAS O brasileiro Carlos Ghosn, presidente mundial da Nissan, apresentou ontem (6/1) seu plano para acabar com as vítimas nos acidentes de carros e com a emissão de poluentes. Os carros autônomos e os carros elétricos são, atualmente, as duas tendências mais quentes do mercado automobilístico. A Nissan é[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami