inova.jor

inova.jor

Incubadora da Oi abre processo de seleção de startups

O Oito conta com incubadora, coworking, laboratório de IoT e espaço de eventos / Divulgação
O Oito conta com incubadora, coworking, laboratório de IoT e espaço de eventos / Divulgação

A Oi inaugurou hoje (24/8), no Rio de Janeiro, o Oito, seu espaço de empreendedorismo e inovação. A operadora também deu início à seleção de startups para um programa de incubação.

As inscrições vão até 15 de outubro.

Terão preferência empresas iniciantes com projetos nas seguintes áreas:

  • internet das coisas
  • cidades inteligentes
  • serviços de saúde
  • serviços de educação
  • publicidade digital
  • soluções de eficiência e produtividade

Cada startup pode receber aporte de até R$ 150 mil.

O programa de incubação do Oito foi desenvolvido em parceria com o Gênesis, instituto de empreendedorismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio.

O empreendedor carioca Rafael Duton, sócio e fundador da aceleradora 21212 será consultor do programa.

O processo seletivo terá um período de pré-incubação de 30 dias, com 18 startups escolhidas por executivos da Oi e de parceiros.

Desse grupo inicial, serão selecionadas seis, que passarão por um processo de incubação de 12 meses.

Coworking e laboratório

Além das empresas incubadas, o Oito conta com um espaço de coworking, um laboratório de internet das coisas em parceria com a Nokia e um auditório para eventos.

A Oi anunciou, no ano passado, um processo de recuperação judicial. A operadora ainda não fechou acordo com os credores.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Espectadores podem acompanhar dados sobre os jogadores da NFL em tempo real / Alan Kotok/Creative Commons

Como a análise de dados em tempo real impulsiona a inovação

Se você quiser ver o que a internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) é capaz de fazer, basta olhar para um jogador da NFL (liga profissional de futebol americano) de hoje. Dois sensores do tamanho de uma moeda, colocados nas ombreiras usadas pelos jogadores, se comunicam mais de[…]

Leia mais »
Operadoras brasileiras passam por processo de transformação digital / Senado Federal/Creative Commons

‘Maioria das operadoras brasileiras ainda opera como commodity’

Com a nova Lei Geral de Telecomunicações travada no Congresso após embate na Justiça, os investimentos no setor para neste ano não devem ser muito diferentes do que em 2016. A crise econômica e a instabilidade na aprovação da lei têm segurado investimentos das operadoras, que continuam sendo constantemente pressionadas[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami