inova.jor

inova.jor

Por que querem censurar a internet durante as eleições

Uma emenda de última hora à reforma política criou um mecanismo de censura na internet / Renato Cruz/inova.jor
Emenda de última hora à reforma política criou um mecanismo de censura na internet / Renato Cruz/inova.jor

Num momento em que muitos políticos são investigados e processados por corrupção, o Congresso decidiu criar um mecanismo para censurar publicações na internet durante as eleições, sem necessidade de decisão judicial.

O pretexto é o combate às notícias falsas e aos perfis falsos nas redes sociais, mas, na prática, o mecanismo vai impedir que as pessoas se expressem livremente e que notícias reais tenham repercussão.

O Marco Civil da Internet, lei que define direitos e deveres dos usuários da rede, prevê retirada de conteúdo sem decisão judicial somente em casos de pornografia de vingança.

Ou seja, quando alguém divulga imagens de relacionamentos íntimos sem o consentimento das partes.

Antes de o Marco Civil ser aprovado, cheguei a participar de uma audiência pública sobre o projeto no Senado e ponderei que até mesmo essa possibilidade era excessiva.

O texto deixa ao prestador de serviço de internet a responsabilidade de julgar se as imagens foram divulgadas com consentimento ou não.

Fora isso, a legislação brasileira permite somente a retirada de conteúdo sem decisão judicial no caso de pornografia infantil. Quanto a esse ponto, acho que não existe controvérsia.

Força das redes

É inegável a força das redes sociais nas campanhas eleitorais, aqui e no mundo. E as notícias falsas são uma questão para a qual ainda não existe resposta satisfatória.

Mas criar um mecanismo de censura, em que publicações possam ser derrubadas sem decisão judicial, é criar um problema ainda maior.

Uma emenda de última hora ao projeto de reforma política aprovado pela Câmara prevê a remoção em até 24 horas de publicação na internet após denúncia de “discurso de ódio, disseminação de informações falsas ou ofensa em desfavor de partido, coligação, candidato ou de habilitado”.

A publicação deve ficar fora do ar até que o serviço de internet consiga se certificar da identidade do usuário. A medida ainda precisa ser sancionada pelo presidente Michel Temer.

Criar um mecanismo de censura já é, em si, bastante grave. A liberdade de expressão é um direito básico do ser humano, protegido pela Constituição brasileira.

O quadro fica ainda pior quando pensamos em conceitos de “discurso de ódio” e “ofensa”, que, subjetivamente, podem se aplicar a qualquer informação negativa, mesmo que verdadeira.

Além disso, dar a serviços de internet, como Facebook e Twitter, a responsabilidade de comprovar a identidade do usuário é atribuir a eles uma capacidade que eles não têm.

Na prática, a medida impõe mordaça a pessoas reais na internet. Porque, se um perfil falso for censurado, nada mais fácil do que criar outro.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Japão padroniza ícones de vaso sanitário

Japão quer tornar privada automática mais fácil de usar

A Associação da Indústria de Equipamentos Sanitários do Japão decidiu padronizar os ícones de instrução do vaso sanitário automático. O modelo possui um painel de controle com funções como pulverizar água, secar, dar descarga e abrir e fechar a tampa. O objetivo é facilitar a vida dos turistas que vão visitar o país.[…]

Leia mais »
Novos domínios devem movimentar ainda mais o mercado de Internet nos próximos anos /Foto: High Ways Agency / Creative Commons

Quais são as melhores práticas para publicar dados na Web

O World Wide Web Consortium (W3C) lançou um documento de referência com recomendações para a publicação de dados na Web. Intitulado Boas Práticas para Dados na Web, o documento foi redigido por especialistas brasileiros do Centro de Estudos sobre Tecnologias Web (Ceweb.br), do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), e[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami