inova.jor

inova.jor

Jamie Dimon, do JPMorgan, não para de criticar o bitcoin

Jamie Dimon, do JPMorgan, acredita que governos vão acabar com o bitcoin / Steve Jurvetson/Creative Commons
Jamie Dimon, do JPMorgan, acredita que governos vão acabar com o bitcoin / Steve Jurvetson/Creative Commons

O JPMorgan Chase é o maior banco dos Estados Unidos e o segundo do mundo, em valor de mercado. Seu presidente, Jamie Dimon, não consegue parar de criticar a moeda digital bitcoin.

Em setembro, ele chamou o bitcoin de fraude. Na quinta-feira (12/10), o executivo disse que não voltaria a falar na criptomoeda, para voltar a criticá-la no dia seguinte.

“Se for você suficientemente estúpido para comprar, vai acabar pagando o preço um dia”, afirmou Dimon, durante evento do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), em Washington. “O valor do bitcoin é somente o que outro cara pagará por ele.”

O presidente do JPMorgan acredita haver grande chance de que os compradores estejam fazendo com que os preços subam todos os dias para que outras pessoas se interessem pela moeda, e eles possam sair do mercado.

Na sexta-feira, o bitcoin fechou com cotação recorde, acima de US$ 5.800. Neste ano, o preço da criptomoeda foi multiplicado por seis.

Dimon destacou que o bitcoin é muito pequeno, comparado à economia mundial. Somente o JPMorgan movimenta diariamente cerca de US$ 6 trilhões ao redor do mundo.

O valor de mercado de todos os bitcoins soma menos de US$ 100 bilhões.

Modelo distribuído

Bancos centrais são responsáveis por moedas convencionais, como dólar, euro e real. O modelo do bitcoin, no entanto, é descentralizado.

A função do banco central é garantir a estabilidade da moeda. Para evitar grandes flutuações, as autoridades monetárias usam a taxa básica de juros, regulando oferta e demanda.

Como não existe um banco central responsável pelo bitcoin, a moeda vem apresentando altas expressivas, já que a demanda cresce mais rápido que a oferta e ninguém faz nada a respeito disso.

A tecnologia que permite ao bitcoin funcionar chama-se blockchain.

As transações são processadas pelos computadores que fazem parte da rede e o blockchain registra essas transações e a quantidade de moedas em cada carteira virtual.

Todos os participantes têm cópias desse registro, o que protege o sistema de fraudes. Dimon afirmou acreditar no potencial do blockchain para registrar transações digitais com moedas convencionais, mas não com bitcoin.

Combate ao crime

O presidente do JPMorgan acredita que os governos vão acabar com o bitcoin, por não gostar de transações financeiras anônimas.

“Se você vive na Venezuela, Coreia do Norte ou Cuba, se você é um criminoso, é um ótimo produto. É melhor do que deixar dinheiro depositado nesses países”, disse Dimon.

O executivo acrescentou que em setembro, da última vez em que chamou o bitcoin de fraude, sua filha enviou uma mensagem dizendo: “Pai, eu tenho dois bitcoins”.

“Minha filha que costumava ser inteligente”, brincou.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Mark Hurd, da Oracle, aposta na nuvem para garantir o crescimento / Renato Cruz/inova.jor

‘A nuvem é mais segura’, diz Mark Hurd, da Oracle

Mark Hurd, presidente mundial da Oracle, considera mais seguro uma empresa contratar seu sistema de gestão empresarial (ERP, na sigla em inglês) na nuvem do que instalá-lo num servidor próprio. “Normalmente, uma empresa tem computadores de vários fabricantes, tem nosso banco de dados e de outros fornecedores, tem de administrar[…]

Leia mais »
Cláudio Ferrari, da Sboc, participou de evento sobre gestão da informação aplicada à saúde / Renato Cruz/inova.jor

Análise de dados pode ajudar a salvar vidas

A saúde brasileira ainda precisa passar por uma revolução de informação. Segundo estudo da McKinsey, a adoção de tecnologias de análise de dados e big data poderia trazer um ganho de eficiência de 35% ao setor. Cláudio Ferrari, secretário de Comunicação Social da Sociedade brasileira de Oncologia Clínica (Sboc) participou[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami