inova.jor

inova.jor

Inteligência artificial chega às bordas das redes

Deloitte: Celulares começam a ser capazes de traduzir e de reconhecer imagens, mesmo desconectados / Jorge Gonzalez/Creative Commons
Celulares começam a ser capazes de traduzir e de reconhecer imagens, mesmo desconectados / Jorge Gonzalez/Creative Commons

Atualmente, serviços baseados em inteligência artificial rodam em grandes centros de dados, acessados por nossos celulares e computadores.

Mas esse cenário começa a mudar. Segundo previsão da consultoria Deloitte, neste ano, um em cada cinco smartphones vendidos no mundo terá capacidade local de aprendizado de máquina.

Ou seja, são mais de 300 milhões de celulares que foram projetados para imitar o funcionamento do cérebro humano, e podem executar atividades baseadas em inteligência artificial mesmo quando desconectados.

Além disso, a tecnologia de aprendizado de máquina faz com que o desempenho dos aparelhos melhore com a experiência.

Os aparelhos poderão fazer coisas como:

  • indicação de direção em lugares fechados,
  • classificação de imagens,
  • realidade aumentada,
  • reconhecimento de fala, e
  • tradução em tempo real.

Inteligência num chip

“No momento em que a inteligência pode ser embarcada num hardware, num chip, ela se torna mais portável”, afirma Márcia Ogawa, sócia de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da Deloitte Brasil. “As aplicações médicas, de eficiência de algumas partes da indústria e de entendimento do consumidor podem caminhar para as bordas.”

Até o ano passado, os smartphones eram capazes de realizar atividades muito limitadas de aprendizado de máquina, como reconhecer o rosto ou as digitais do seu dono.

O avanço dos processadores embarcados nos aparelhos faz com que eles sejam capazes de atividades cada vez mais complexas.

Além dos smartphones, o aprendizado de máquina deve se tornar presente em outros equipamentos, como drones, tablets, carros e equipamentos médicos.

Num ambiente de internet das coisas, a capacidade de sistemas inteligentes trabalharem sem conexão é ainda mais importante.

Seja em situações de emergência, seja em locais remotos, com pouca cobertura dos serviços de telecomunicações.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

Oi aposta em aplicativos após pedido de recuperação judicial

Com uma dívida de R$ 65,4 bilhões discutida em processo de recuperação judicial, a operadora de telecomunicações Oi foi buscar inspiração nas startups para tentar sair da crise. A reformulação estrutural da companhia ocorre desde janeiro, com a criação de um departamento digital, chefiado por Maurício Vergani, diretor de Estratégia[…]

Leia mais »
A Local Motors desenvolveu o ônibus autônomo Olli / Frank Gruber/Creative Commons

Quando a internet das coisas se torna inteligente

A tão falada internet das coisas já está presente em nossas vidas e na estratégia de companhias dos mais diversos setores, mostrando que é um caminho sem volta. A chamada IoT também é uma das tendências tecnológicas que cada vez mais consumirá investimentos em pesquisa e inovação. Estamos falando de[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami