inova.jor

inova.jor

Novas tecnologias prometem levar internet para o campo

Tecnologias como rede mesh e Sigfox prometem conectar dispositivos no campo / Christophe Becker/Creative Commons
Tecnologias como rede mesh e Sigfox prometem conectar dispositivos no campo / Christophe Becker/Creative Commons

O agronegócio é um dos setores prioritários do Plano Nacional de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), divulgado neste mês.

Um desafio nessa área é levar conectividade para as aplicações. Segundo o Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), 47% dos domicílios rurais não estão conectados à internet por falta de cobertura.

Novas tecnologias prometem resolver esse problema. Uma opção são as redes mesh, em que cada dispositivo conectado também funciona como transmissor, ajudando a propagar o sinal.

A norte-americana Rajant, que acaba de abrir um escritório no Brasil, recebeu no começo do milênio US$ 20 milhões em financiamento de pesquisa e desenvolvimento do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

O objetivo era desenvolver uma rede que fosse facilmente instalável num campo de batalha, logo depois do ataque de 11 de setembro.

Entre 2007 e 2010, a tecnologia mesh criada pela Rajant, que usa a faixa de uso livre do wi-fi, passou a ser adotada também por mineradoras.

Desde 2010, a companhia busca diversificar sua atuação para mercados como agricultura, logística e serviços públicos.

“Implantar uma rede mesh é mais barato e rápido do que usar a tecnologia 4G”, afirma Joeval Martins, diretor de Vendas para a América Latina da Rajant. “Também trazemos uma terceira dimensão à conectividade, com o uso de drones.”

A tecnologia da Rajant funciona com pontos em movimento. Dessa forma, drones podem levar cobertura de rede para os locais que sobrevoarem.

WND em Cuiabá

Na quinta-feira (26/10), a WND lançará em Cuiabá sua rede dedicada à internet das coisas para o agronegócio. A cobertura já inclui, além de Cuiabá, as cidades de Rondonópolis, Sorriso, Cáceres, Sinop e Nova Mutum.

Com tecnologia Sigfox, a rede da WND cobre mais de 80 milhões de pessoas em todo o Brasil.

O Sigfox é uma tecnologia Low Power Wide Area Network (LPWAN), que combina baixo custo de conexão, baixo consumo de energia e longo alcance.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

A multinacional brasileira, fundada por Marco Stefanini, promove seu primeiro hackathon no Rio / Renato Cruz/inova.jor

Stefanini promove hackathon sobre telecomunicações no Rio

A Stefanini vai promover, em 19 de janeiro, seu primeiro hackathon no Rio de Janeiro. As inscrições terminam em 15 de janeiro. Com até cinco integrantes, as equipes terão como objetivo encontrar uma solução criativa e economicamente viável para melhorar a experiência do usuário de telecomunicações. A equipe vencedora receberá[…]

Leia mais »
Aluno do PECE-Poli pode optar por se aprofundar em Indústria 4.0 / inova.jor

PECE-Poli ensina a aplicar tecnologias inovativas aos negócios

Existem grandes oportunidades para empreender em áreas como aprendizado de máquina, internet das coisas (IoT), Indústria 4.0 e entretenimento digital. O Programa de Educação Continuada da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (PECE-Poli) está com inscrições abertas para o curso Novos Negócios com Tecnologias Inovativas. Por ser um curso[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami