inova.jor

inova.jor

Por que o Brasil precisa de uma política de conectividade

 Conectividade: A apreciação de medidas estruturantes precisa acontecer o quanto antes / Edu Alpendre/Creative Commons
A apreciação de medidas estruturantes precisa acontecer o quanto antes / Edu Alpendre/Creative Commons

Observe atentamente estes dados: o tráfego global anual sobre protocolo de internet (IP, na sigla em inglês) vai alcançar 3,3 zettabytes (ZB) até 2021, quase o triplo do que foi registrado no ano passado.

Esse volume vai corresponder a 30 gigabytes (GB) per capita, considerando que cada usuário terá no mínimo dois ou três equipamentos conectados.

Nesse futuro não tão distante, passarão pela rede um milhão de minutos de vídeo a cada segundo, e as transmissões ao vivo corresponderão a 13% de todo o fluxo mundial de dados.

Já o tráfego de dados móveis deverá aumentar sete vezes até 2021 na comparação com 2016, atingindo 48,3 exabytes (EB) por mês.

Esses e outros números, igualmente impressionantes, fazem parte do levantamento Cisco Visual Networking Index: Forecast and Methodology, 2016-2021, divulgado em junho.

Medidas estruturantes

O que eles mostram? Que se o Brasil não desenvolver uma política de conectividade imediatamente, estaremos condenados a duas situações muito ruins:

  • não teremos condição de aproveitar essa profusão de conteúdos; e
  • seremos isolados no subdesenvolvimento do mundo virtual, já que o do mundo real faz parte da nossa história há muito tempo.

O pior disso é que essa preocupação não é nova. Há alguns anos, sobretudo com a popularização das conexões banda larga — móveis, inclusive — temos identificado a necessidade de fazer do investimento em conectividade uma preocupação comum dos governos, manifestada por meio de incentivos ao aumento da quantidade e qualidade das conexões e leis modernas e eficazes.

Preocupa-me o fato de que o governo federal ainda não se manifestou sobre como serão as políticas do Plano de Conectividade, apenas disse que não há recursos para a execução dos eventuais projetos.

A posição do poder executivo é que, sem a aprovação do Projeto de Lei Complementar (PLC) 79/2016, a situação financeira não permitirá grandes avanços.

O PLC revisa a Lei Geral de Telecomunicações, negociando os Termos de Ajustamento de Conduta entre a Anatel e as empresas, além da liberação de recursos do Fust.

Evidentemente que o país vive um momento de efervescência política e social, mas a apreciação de medidas estruturantes precisa acontecer o quanto antes.

Redes modernas

Não é mais possível adiar a regulação de uma área tão importante quanto a da infraestrutura de tecnologia da informação e comunicações.

Temos de ter suporte de qualidade aos investimentos em tecnologia da informação que, só no ano passado, somaram US$ 38 bilhões no Brasil, colocando nosso país em 9º lugar no ranking mundial.

O montante é 2% superior ao registrado em 2015, mas já foi melhor — tanto que já estivemos duas posições acima, no sétimo lugar.

Esse é o caminho para eliminarmos a disparidade entre o que investimos e o que realmente faz diferença para as pessoas e os negócios: acesso a redes modernas, comunicação de qualidade e desenvolvimento.

Comentários

comentários

Publicações relacionadas

O Vale do Silício, na Califórnia, concentra empresas e laboratórios de tecnologia / hjl/Creative Commons

Nos EUA, setor de TI segue aberto a profissionais brasileiros

O setor de tecnologia da informação (TI) sempre foi caracterizado pela inovação e pelo investimento intensivo de recursos financeiros em talentos profissionais. Essa tem sido a característica marcante para garantir as condições necessárias ao desenvolvimento de serviços e soluções, em benefício de usuários (consumidores) e empresas, com reflexos na evolução[…]

Leia mais »
Presidente da Abrint destaca que a internet das coisas depende da expansão da banda larga / Groman123/Creative Commons

Ampliação da banda larga depende de fundo garantidor

Levar fibra óptica aos municípios menores e mais afastados dos grandes centros não é tarefa fácil nem barata. O esforço dos provedores regionais para que isso aconteça tem contribuído para o crescimento anual de 4,79% no número de acessos fixos, totalizando cerca de 26 milhões. Apesar desse crescimento, há ainda[…]

Leia mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami